DESKTOP

Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

A arquiteta Daniela Barranco revela os mistérios e encantos dos tetos de Roma em sua terceira coluna sobre viagens. Seus relatos não são os de uma mera turista encantada com o que vê. Ela criou o projeto “O mundo como inspiração” em que une o prazer por viagens à sua atividade profissional: projetar ambientes residenciais e comerciais.

A basílica de São Pedro levou 120 anos para ficar pronta - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma
A Basílica de São Pedro levou 120 anos para ficar pronta. (Fotos: Acervo pessoal)
A basílica de São Pedro levou 120 anos para ficar pronta - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma
A Igreja de Santo Inácio de Loyola foi construída em estilo barroco entre 1626 e 1650 - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma
A Igreja de Santo Inácio de Loyola foi construída em estilo Barroco entre 1626 e 1650.
A Igreja de Santo Inácio de Loyola foi construída em estilo barroco entre 1626 e 1650 - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma
O conjunto de afrescos ilustra diversas passagens da Bíblia e da doutrina católica - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma
O conjunto de afrescos ilustra diversas passagens da Bíblia e da doutrina católica.
O conjunto de afrescos ilustra diversas passagens da Bíblia e da doutrina católica - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma
uma das mais bem preservadas estruturas romanas antigas e permaneceu em uso por toda a sua história - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma
É uma das mais bem preservadas estruturas romanas antigas e permaneceu em uso por toda a sua história.
uma das mais bem preservadas estruturas romanas antigas e permaneceu em uso por toda a sua história - Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma

A magia dos tetos de Roma

Se você já foi a Roma, motivos para voltar, provavelmente, não faltam. Afinal, há sempre algo diferente a ser visto. Quando mudamos o ângulo ou o foco de nossa atenção durante uma viagem, podemos fazer descobertas incríveis. Em Roma, eu recomendo um olhar mais atento e demorado aos tetos das igrejas. Perder-se pelas ruas da cidade e entrar nas igrejas menos prováveis é o segredo para se surpreender com a beleza e delicadeza de tantos tetos fabulosos.

As grandes surpresas podem estar em pequenas igrejas, muitas vezes encravadas no meio de edifícios de habitação, e que normalmente passam despercebidas pelo turista comum. Para quem já é artista ou arquiteto, os olhos sempre atentos não deixam escapar a delicadeza e a complexidade dessas obras-primas, afinal, o olhar mais apurado está sempre em busca de aprender o mínimo que seja com os grandes mestres.

Esse é um passeio que recomendo a crentes e não crentes – que com certeza encontrarão, por razões diferentes, muitos motivos para sair de queixo caído de todas as igrejas em que entrarem. Esqueça a dor no pescoço e admire as obras de arte que só se vêem no alto.

Começando pela Basílica de São Pedro, o que pouca gente sabe é que a melhor forma de ver e apreciar a cúpula do Vaticano não é de fora nem de dentro da igreja, mas do alto. A subida à cúpula, apesar de bem cansativa, proporciona vistas incríveis da parte superior da mesma e um panorama divino de Roma. Na subida você verá a riqueza do projeto de Michelangelo, que desenhou um caminho em curva que acompanha a cúpula – dando acesso ao ponto mais alto do Vaticano.

Lá do alto você perceberá que a Praça de São Pedro foi projetada em formato de chave – como as chaves que Jesus deu ao Apóstolo Pedro e que são o símbolo do Vaticano –, e terá uma vista panorâmica de Roma. Quando estiver fazendo a visita dentro da Basílica olhe para a cúpula e veja as lindíssimas pinturas, ao subir, pasme… você vai descobrir que não são pinturas e, sim, enormes painéis de mosaico, de uma perfeição incrível. É maravilhoso!

O teto da Capela Sistina, certamente, é o mais visto e conhecido de Roma, um imenso afresco concebido por Michelangelo entre 1508 e 1512. Considerado não só o marco da pintura Renascentista, mas também uma das mais famosas obras de arte e um dos maiores tesouros da Santa Sé. Antes de visitá-lo, tenha conhecimento de cada detalhe dos nove painéis para não perder o significado de tanta beleza.

Na Igreja de Santo Inácio de Loyola, que fica na Via Del Carvita, 8ª, ao olhar para o alto você se surpreenderá ao descobrir que os afrescos, feitos por Andrea Del Pozzo, têm efeito ótico e tridimensional. A pura técnica e maestria na execução dão a impressão de que o teto da igreja é muito mais profundo e alto do que realmente é.

A visita à Igreja S. Luigi Dei Francesi, perto da Praça Navona, também é imperdível. Além de ter obras incríveis de Caravaggio, tem um teto estarrecedoramente maravilhoso. Apesar de a igreja ser um pouco escura, ela se torna bastante impressionante quando os olhos se acostumam e começamos a visualizar os detalhes.

Já no Panteão, o teto, apesar de muito visto, nem sempre tem sua história visitada. A cúpula pesa mais de cinco mil toneladas e é uma obra-prima da arquitetura. Para garantir a sua solidez, em sua base foram posicionados materiais pesados como mármore travertino em pedaços. Quase dois mil anos depois de ter sido construída, é ainda hoje a maior cúpula de concreto não reforçado do mundo. A altura até o óculo (ponto de entrada de luz) e o diâmetro da circunferência interior são idênticos, 43.3 metros.

Veja Também

6 comentários em “Daniela Barranco mostra a magia dos tetos de Roma”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X