DESKTOP

Desembargador cego do TRT no Paraná recebe comenda em Brasília no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação, com Agência Senado

nota - Desembargador cego do TRT no Paraná recebe comenda em Brasília no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência
O desembargador do TRT-PR, Ricardo Tadeu Marques da Fonseca (ao centro), sua mulher, Ana Camargo, e o senador Flávio Arns. (F0t0s: Divulgação)
nota - Desembargador cego do TRT no Paraná recebe comenda em Brasília no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência
nota 2 - Desembargador cego do TRT no Paraná recebe comenda em Brasília no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência
A senadora Mara Gabrilli (ao centro) entre o casal Ricardo Fonseca e Ana Camargo.
nota 2 - Desembargador cego do TRT no Paraná recebe comenda em Brasília no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

Primeiro cego a ser nomeado juiz no Brasil, o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-PR) Ricardo Tadeu Marques da Fonseca foi um dos agraciados com a Comenda Dorina Nowill em solenidade realizada nesta semana no Senado Federal, em Brasília, no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. O diploma foi entregue pelo senador paranaense Flávio Arns (Rede). O nome de Fonseca foi indicado pela senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP), que é tetraplégica.

Em comemoração ao Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, na terça-feira (3), o Senado promoveu uma sessão de premiação da Comenda Dorina de Gouvêa Nowill. A condecoração é destinada a personalidades que tenham oferecido contribuição relevante à defesa das pessoas com deficiência no Brasil. Além de pessoas dedicadas à causa, foram homenageadas quatro instituições: a Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação, o Hospital Santa Marcelina de Rondônia, o Instituto dos Cegos de Campina Grande e a Sociedade Professor Heitor Carrilho.

Ricardo Tadeu foi considerado merecedor da Comenda por ter dedicado sua vida à inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Ele nasceu prematuro e como resultado disso sofreu paralisia cerebral e perda parcial da visão até os 23 anos, quando ficou completamente cego. Durante a sessão, Fonseca, paulistano radicado em Curitiba, lembrou que foi impedido de concluir um concurso público em 1990 por causa da deficiência visual. Somente após muita luta em busca de adequações legais, ele conseguiu se tornar o primeiro cego a ser nomeado juiz e membro do Ministério Público da história do Brasil. Segundo o magistrado, a Fundação para o Livro dos Cegos, fundada por Dorina Nowill, foi essencial para o seu desenvolvimento pessoal e acadêmico.

“Eu vivi a adolescência inteira ouvindo livros gravados pela Fundação Dorina Nowill, os quais me permitiram, inclusive, galgar os meus sonhos, cursar a Faculdade de Direito da USP, fazer mestrado, doutorado. Tudo isso é desdobramento do trabalho da querida Dorina Nowill, o que dá realmente para mim uma emoção muito especial também o fato de ter uma comenda com o nome da minha querida mestra”, afirmou ele em discurso na tribuna do Senado. (Fonte: Agência Senado).

Confira o vídeo:

O desembargador Ricardo Tadeu Marques da Fonseca discursa na Tribuna do Senado. (Vídeo: Ana Camargo)

Veja Também

2 comentários em “Desembargador cego do TRT no Paraná recebe comenda em Brasília no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X