“Estou no vermelho, e agora?”; a colunista Laura Doring explica como proceder para sair do aperto financeiro sem sofrimento, como nas dietas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Laura Döring

Laura 1 - "Estou no vermelho, e agora?"; a colunista Laura Doring explica como proceder para sair do aperto financeiro sem sofrimento, como nas dietas
Laura Döring, gestora de investimentos. (Foto: Arquivo pessoal)

Olá queridos leitores!!!

Sempre que escuto alguém perguntar: “Como faço para sair do vermelho?” as respostas mais comuns são: Não entre no vermelho! Não faça empréstimos… dentre outras “respostas” parecidas. Mas como, se eu já estou no vermelho? Para ficar mais claro, costumo comparar “sair do vermelho” a fazer uma dieta, ou sair do sedentarismo. Exige muita disciplina, e no começo vai doer! Quando nós planejamos uma dieta, o primeiro passo é consultar um especialista para saber o que pode dar mais resultado. Lembram que eu falei que cada pessoa é única e não existem regras específicas para cada um? Isso serve para dieta e também para a sua vida financeira. Tudo se resume a padrões de comportamento.

Sim, não podemos pensar em números quando se trata de pessoas, comportamentos e sentimentos que nos levaram a chegar onde estamos, tanto para acumular dinheiro, como para acumular dívidas. E, não, você não está sozinho(a), afinal, a taxa média de endividamento dos brasileiros está acima de 60%. Claro que os fatores externos influenciam, como crises econômicas ou mudança de governo (não vou entrar nesse assunto pois não é nosso foco). Nesses cenários, o que faz uns conseguirem manter estabilidade financeira, ou até ganhar dinheiro, é o perfil comportamental. E o contrário também é verdadeiro, pois os padrões comportamentais são difíceis de mudar.

Conseguir vencer essa barreira exige muita disciplina e, assim como uma dieta, é fundamental traçar os objetivos e prazos. Viu como não se trata de números e sim de padrões de comportamento? Nosso cérebro é dividido em três níveis de consciência e cada uma delas age de formas diferentes nas situações do dia a dia. O sistema reptiliano, por exemplo, aciona em momentos instintivos, como fome, dor, frio, calor. Já o sistema límbico é responsável pelas nossas emoções. Compulsão por ansiedade é um exemplo de como o sistema límbico nos sabota muitas vezes. Compulsão alimentar ou compulsão por comprar tem o mesmo efeito no nosso cérebro, que é gerar prazer momentâneo para suprir aquele sentimento de tristeza, ansiedade ou stress pelo qual estamos passando.

710636 PRAF5A 494 1024x683 - "Estou no vermelho, e agora?"; a colunista Laura Doring explica como proceder para sair do aperto financeiro sem sofrimento, como nas dietas
“Compulsão por comprar gera um efeito de prazer momentâneo no nosso cérebro”, diz Laura. (Foto: Freepik)

Já percebeu que quando estamos tristes ou ansiosos por algum motivo não podemos passar em frente a uma loja sem querer comprar alguma coisa? Nosso sistema límbico vai querer transformar essa tristeza em autoestima. E, por último, o neocórtex, responsável pela razão, é o terceiro nível de consciência. E ele vai aparecer quando chegar a fatura do cartão de crédito. Fazer o neocórtex prevalecer sobre o sistema límbico é o desafio principal para transformar os sentimentos, as ansiedades que nos levam a gastar, em números positivos.

Agora que você já sabe como o nosso cérebro funciona, comece a anotar todos os momentos em que você age com a emoção e os que age com a razão (não precisa ser só na área financeira). Descobrir isso é muito importante nesse início e traga consigo as anotações para a segunda parte da nossa conversa, onde vou explicar como fazer para mudar os padrões, em cada situação que faça você gastar excessivamente. E, claro, vou dar dicas para quem já está no negativo e então procurarmos juntos as melhores soluções para mudar radicalmente, transformando dívidas em abundância.

Meu nome é Laura Döring, sou gestora financeira e aguardo vocês para a nossa próxima conversa!

LEIA TAMBÉM:

Laura Doring

laurapb2 150x150 - "Estou no vermelho, e agora?"; a colunista Laura Doring explica como proceder para sair do aperto financeiro sem sofrimento, como nas dietas

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

Veja Também

5 comentários em ““Estou no vermelho, e agora?”; a colunista Laura Doring explica como proceder para sair do aperto financeiro sem sofrimento, como nas dietas”

  1. Pingback: Evento que aborta as novidades e futuro do mercado imobiliário de Curitiba está com inscrições abertas - Reinaldo Bessa

  2. Pingback: Estou no vermelho, e agora? Parte 2 - Reinaldo Bessa

  3. Pingback: Cartão de crédito, amigo ou vilão? Por Laura Döring - Reinaldo Bessa

  4. Pingback: Reserva financeira é essencial no momento; leia na coluna de Laura Döring - Reinaldo Bessa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Laura Doring

laurapb2 150x150 - "Estou no vermelho, e agora?"; a colunista Laura Doring explica como proceder para sair do aperto financeiro sem sofrimento, como nas dietas

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

X