Estou no vermelho, e agora? Parte 2 – Aprenda como se relacionar bem com o seu dinheiro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Laura Döring

foto coluna laura 1024x576 - Estou no vermelho, e agora? Parte 2 - Aprenda como se relacionar bem com o seu dinheiro
Faça planilha dos seus gastos, readeque suas contas e se relacione bem com o seu dinheiro. (Foto: reprodução internet)

Olá querido leitor. Tudo bem? Na última coluna nós falamos sobre como nossos comportamentos influenciam nosso poder de decisão. Pedi também que anotassem os comportamentos que nos sabotam para investir e aumentar os lucros financeiros. E aí, anotou? Então clique no banner ao lado do artigo e tire suas dúvidas diretamente comigo. Se não leu a coluna anterior, volte lá e leia! Afinal, essa introdução é muito importante para que você consiga acompanhar todo o processo e me trazer boas notícias futuramente.

Quando o dinheiro acaba antes do final do mês e as dívidas começam a acumular, a primeira fase do endividamento é jogar tudo para o cartão de crédito – por conseqüência, cheque especial, parcelamento do cartão, empréstimos pessoais – e isso gera uma bola de neve que parece não ter fim.

Pare agora para analisar qual a sua situação e reflita sobre o grau de endividamento em que você está (não precisa contar para ninguém). Apenas reflita todos os motivos e comportamentos que te fizeram chegar neste ponto.

Agora deixe de lado por enquanto todos os seus endividamentos. Vamos analisar sua vida financeira por etapas. Você precisará fazer uma planilha que organize e onde fiquem visíveis todos os seus gastos. Isso te ajudará até mesmo a criar soluções presentes (resoluções) e futuras para não repetir os mesmos erros, pois você colocará rédeas nas situações financeiras da sua vida a partir de agora.

Costumo dizer que o dinheiro é igual a relacionamentos: se você entender, valorizar, cuidar, enfim, tratar bem, ele retribuirá na mesma proporção, mesmo nos pequenos detalhes. Porém, se você não o fizer, ele irá embora. Então comece a cuidar com todo carinho, pois ele certamente fará o mesmo por você.

Essa planilha pode ser feita até mesmo em um caderno. Existem aplicativos com planilhas de gastos prontas e ela pode ser feita também no Excel, não importa. Caso queira, eu posso enviar um modelo prático e adaptável, é só me pedir clicando no banner ao lado, que envio para você. O importante é você conseguir visualizar seus gastos de forma clara.

Feito isso, coloque todas as contas fixas na planilha, sem os empréstimos, e analise quanto sobra de recurso mensal. Se não estiver sobrando o alerta é máximo, pois você está vivendo um padrão que (ainda) não é o seu. Nesse caso, reveja o que pode ser mudado temporariamente até se reestabelecer. Um exemplo é rever a viagem de férias. Por que não uma viagem mais barata e que pode ser igualmente divertida? E o aluguel do apartamento? Ou então trocar aquela parcela do financiamento do carro (que você não pode pagar, certo?) para um carro não tão caro, ou mais econômico. Ou até mesmo fazer o cálculo se vale a pena ter carro nesse momento, entre outras situações que você precisa refletir e entender que algo precisa ser mudado. A internet, o combo da TV por assinatura, o pacote de dados do celular, o valor mensal da compra do mercado, (já se perguntou quanto você gasta mensalmente no mercado?). Tudo quando bem analisado, pode ser readequado.

E não, as pessoas não precisam saber que você está passando por esse momento (e eu sei que nos preocupamos com a opinião alheia, por mais que você diga que não). E esse pode ser um dos principais motivos de você estar passando por isso agora. Então vou dar dicas de como se sair bem em todas as situações que você precisará enfrentar, e ainda sairá como uma pessoa investidora, que trabalha de forma inteligente com o seu dinheiro.

Se perguntarem por que vendeu o carro, por exemplo, você pode dizer que fez os cálculos, verificou que usar aplicativo é mais barato, mais prático, e com o que você antes gastava, fez uma readequação, está investindo de forma inteligente, tem novas prioridades. Agora uma dica de ouro! NUNCA, em hipótese alguma fale: Eu não tenho dinheiro! Seja para um amigo que queira fazer um convite onde precisará gastar, seja para um vendedor de loja ou até mesmo para seu filho. No lugar disso, diga: Eu estou economizando, obrigado(a), ou então, tenho outras prioridades no momento, obrigado(a). Essa energia vai te ajudar a seguir com o seu propósito de prosperar. Afinal é a sua “dieta”. É o seu relacionamento com o seu dinheiro, e nesses pequenos cuidados ele vai começar a retribuir, pode ter certeza!

Readequou as contas fixas? Agora faça um cálculo para saber quanto você gasta nos outros itens, desde o que você mais costuma gastar até o que menos costuma gastar. Como eu sempre digo: cada pessoa é única, então não vamos nos atentar agora aos percentuais para cada Item, pois o que é mais importante para Maria, pode ter menos peso para João. Eles vão aparecer depois de montada a planilha, onde você entenderá, pelos seus gastos e comportamentos, o que é mais importante para VOCÊ, e assim começar a pensar o que de tudo isso é supérfluo, e ainda, o que você pode evitar fazer daqui para frente. Vou dar exemplos de como separar os gastos: Viagens, gastronomia, roupas e acessórios, etc. E só então faça “um pente fino” do que pode ser readequado. Lembre que é uma fase, e não para sempre.

Importante! Escolha um lazer, se você tinha lazeres caros, readéque por um tempo, mas não deixe de lado, pois ele é fundamental para o seu bem estar e para fazer dar certo nosso planejamento e propósito. Pronto, separe quanto sobra da sua renda mensalmente após toda essa readequação.

Agora sim você vai analisar dentre todas as dívidas, empréstimos, cartões, quais estão com os maiores juros, não importa se é um ou 10 tipos de endividamento. Cartões de crédito: Você precisa de 3 cartões de crédito? Elimine o máximo de cartões de crédito nesse momento, e não parcelará mais nada até a conclusão desse planejamento! Tenha em mente o limite que poderá gastar e evite utilizar o crédito!

Bancos Comerciais: Não crie diversas contas em diversas instituições, quanto mais enxuto mais fácil de controlar onde vão seus gastos. Negocie taxas, (mesmo pequenas, são os pequenos detalhes que farão a diferença no relacionamento com o seu dinheiro, lembre-se disso!).Prefira contas e cartões com cashback, programas de fidelidade, milhas, isso vai te ajudar a economizar.

Empréstimos: Some todo saldo devedor de todos os empréstimos juntos.A primeira opção é renegociar todos os empréstimos para apenas um, pois diminuirá a taxa de juros, fará com que diminua a parcela e muitas vezes também o prazo. Existem financeiras que fazem esse trâmite de forma segura. Caso queira dicas, também clique no banner. A parcela precisa estar dentro da nossa readequação acima. Quanto menor o prazo, menor serão os juros, e menos tempo precisará fazer a “dieta”.

Caso não seja possível a renegociação, escolha pagar primeiramente os empréstimos com os maiores juros, e antecipe as parcelas com o dinheiro que sobrou da readequação. Nesse segundo cenário você precisa lembrar que ainda existem os outros empréstimos, e eles precisam estar na conta, senão, de nada adiantará todo o esforço até aqui. E se, mesmo fazendo a readequação, não sobrar, pelo menos não vai ficará no negativo e conseguirá honrar com todos os empréstimos.

Agora você precisa você se perguntar, o seu trabalho está te remunerando o suficiente? Ou você pode fazer algo a mais para gerar renda? Seja temporário, seja um novo trabalho, enfim, vai ajudar muito a chegar no seu objetivo e propósito com mais facilidade. Use sua criatividade, pode ser até um hobbie, por que não?

O tempo da sua “dieta” sempre dependerá do prazo da última parcela de todos os seus endividamentos. Então, antecipe ao máximo, gere renda extra, renegocie, economize, e logo você estará do lado azul da planilha, para enfim prosperar. Nesse momento é que você vai entender como o dinheiro, quando bem cuidado, fará maravilhas por você. Então mãos à obra, pois você terá um belo trabalho pela frente. Mas eu te garanto: fará toda a diferença!

Aguardo as suas dúvidas! Um beijo e até a próxima coluna!

Laura Doring

laurapb2 150x150 - Estou no vermelho, e agora? Parte 2 - Aprenda como se relacionar bem com o seu dinheiro

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

Veja Também

4 comentários em “Estou no vermelho, e agora? Parte 2 – Aprenda como se relacionar bem com o seu dinheiro”

  1. Pingback: Empresárias do segmento de charutos se unem para popularizar o hobby entre as mulheres - Reinaldo Bessa

  2. Pingback: Cartão de crédito, amigo ou vilão? Por Laura Döring - Reinaldo Bessa

  3. Pingback: Reserva financeira é essencial no momento; leia na coluna de Laura Döring - Reinaldo Bessa

  4. Pingback: Tribunal de Contas destina R$ 15 milhões para combater Covid-19 no Paraná - Reinaldo Bessa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Laura Doring

laurapb2 150x150 - Estou no vermelho, e agora? Parte 2 - Aprenda como se relacionar bem com o seu dinheiro

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

X