Cartão de crédito, amigo ou vilão? Por Laura Döring

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Laura Döring

cartaodecredito 1024x683 - Cartão de crédito, amigo ou vilão? Por Laura Döring
Sabendo usar, o cartão de crédito pode ser um grande aliado na economia. (Foto: Reprodução Internet)

Olá querido leitor, tudo bem? Seguindo a nossa linha da dieta financeira, falaremos hoje sobre o tão temido cartão de crédito.

Início de ano, parcelamentos das festas, viagens de férias e contas diversas, período pós carnaval, onde algumas pessoas dizem que “o ano realmente começou”. É o momento onde mais se vê reclamações sobre a fatura do cartão, aumentam as solicitações de parcelamento, e então começa a famosa bola de neve já descrita na coluna passada. Quem não leu, volte e leia o texto da semana passada para acompanhar o processo desde o início e começar já a sua dieta financeira.

O padrão mais comum de comportamento dos clientes do cartão de crédito é: Abre-se a conta do banco, o(a) gerente solicita o cartão de acordo com a renda e o perfil do cliente, que normalmente, quando não tem restrição do CPF, é o valor total ou até duas vezes o valor da renda comprovada. A partir daí começa-se o uso do cartão, e as dúvidas. Meu cartão tem anuidade? Como eu acumulo milhas? O que faço com as milhas que acumular? Mas o principal, é o que menos se pergunta, ou melhor, menos se planeja. Os parcelamentos!

Quando bem utilizado, o cartão de crédito pode ajudar e muito no seu planejamento financeiro, pois dessa forma ele gera pontos, que podem ser trocados por milhas, produtos, enfim, existem diversos serviços disponíveis que muitas pessoas não fazem nem ideia que existam, e que farão você economizar em diversos segmentos.

A anuidade do cartão de crédito pode ser negociada dependendo do valor que você gasta mensalmente, ou, pelo perfil da instituição financeira que escolher trabalhar. Por isso, ao escolher uma instituição financeira, saiba se ela é a que te oferece as melhores taxas de conta corrente, cartão de crédito, benefícios diferenciados, e não abra uma conta apenas por indicação de amigos ou promoções momentâneas que as instituições oferecem. O que seriam essas promoções momentâneas? Exemplo, abra sua conta e ganhe três meses de isenção das taxas. Você vai trabalhar com aquela instituição por apenas três meses? Não! Então avalie o que ela te oferecerá a partir do quarto mês.

Mas vamos iniciar do mais difícil, como controlar as compras? Antes disso, vamos voltar  à primeira parte da nossa conversa, na coluna “Estou no vermelho, e agora?”, onde o nosso comportamento pode nos prejudicar financeiramente e que nós precisamos avaliar os padrões de comportamento para conseguir mudar os hábitos negativos e, por fim, criar novos hábitos que vão ajudar a reverter esse quadro.

Para esses comportamentos, padrões precisam ser quebrados, e não é fácil, então vou indicar dois livros sobre comportamento, que podem ajudar, se bem aplicados, no seu dia a dia. O Poder do Hábito, Charles Duhigg, 2012, e Rápido e Devagar: Duas formas de Pensar, por Daniel Kahneman (Autor), Cássio Arantes de Leite (Tradutor), 2012.

Feito isso, toda vez que você comprar algo que precisar parcelar, faça a seguinte pergunta: Eu realmente preciso disso? Se a resposta for não, então não é o momento de comprar, se a resposta for sim, você fará outra pergunta: Quanto eu realmente preciso disso? E então vai avaliar se vale ou não à pena parcelar. Tenha em mente que o parcelamento já é feito para algo que você não pode pagar com a sua renda atual – se precisa parcelar, está acima do que você pode pagar. Você sabia que não é comum parcelar roupas em países da Europa por exemplo? O parcelamento deve ser feito com cautela e a partir de hoje, será feito em caso de extrema necessidade.

Você precisa ter bem claro os valores que estão parcelados no seu cartão, isso será importante para prevenir a famosa bola de neve, que é a soma de todos os parcelamentos feitos ao longo dos meses. Exemplo: Mês um parcelei mil reais em dez vezes; se durante dez meses eu fizer parcelamentos equivalentes, no décimo mês eu terei mil reais para pagar do cartão de crédito, referentes à dez parcelas de cem reais, certo? Faz sentido isso? Então porque não comprar à vista e pedir desconto sobre os mil reais naquele mês? Em dez meses você terá um desconto muito maior sobre todas as compras, comprando à vista. Nesse momento surge outra pergunta: você poderia pagar à vista esses mil reais, ou é realmente necessário parcelar? Se for necessário parcelar, NÃO faz parte do seu padrão financeiro. Isso porque você terá que pagar de qualquer forma esses mil reais.

Se você puder pagar à vista, estará fazendo o dinheiro trabalhar para você pedindo descontos, porém se não puder pagar, no décimo mês, terá que fazer o parcelamento da fatura do seu cartão (3% ao mês – BACEN), ou pior, pagar o mínimo do cartão, (15,85% ao mês – BACEN). Mas se não existe outra alternativa, o parcelamento é a opção menos onerosa nesse momento.

Então você terá que adicionar no próximo mês, além das compras parceladas, o parcelamento daquele mês onde não conseguiu pagar a fatura. Por isso, a partir de agora, sempre avalie se você pode pagar à vista e, principalmente nessa fase da dieta financeira, evite qualquer tipo de parcelamento até baixar o valor da sua fatura.

Mas o cartão de crédito pode ser um excelente amigo e fazer você economizar, como já falei acima. Vamos aos benefícios:

Pontos do cartão: Você sabe quantos pontos você recebe por cada compra efetuada no seu cartão de crédito? Se não sabe pergunte agora, entre no site, aplicativo do banco, pergunte para seu(a) gerente, e então comece a acompanhar, para economizar. Muitas vezes existe a possibilidade de fazer upgrade do cartão de crédito, que fará acumular muito mais pontos. Alguns, inclusive, isentam a anuidade ou a reduzem, dependendo do valor utilizado mensalmente. E nos casos de cartão com mais pontos por compra, deve-se fazer as contas pois quando bem utilizado, vale a pena a anuidade um pouco mais cara, pois ela se paga com a troca da pontuação.

Você gosta de viajar? Então o cartão de crédito a partir de agora será seu melhor amigo! Você pode utilizar a pontuação para diárias em hotéis, aluguel de carros, compra de passagens aéreas, seguro viagem gratuito (alguns países é estritamente proibido entrar sem o seguro viagem), upgrade de assentos em companhias aéreas, salas vips em diversos aeroportos de qualquer lugar do mundo, compras de passeios, (exemplo, entradas em museus, shows, passeios de barco). Entre no site do seu banco e veja todas as vantagens que ele pode te oferecer e você irá se surpreender.

Você não gosta de viajar? Troque sua pontuação por eletrodomésticos, serviços diversos, entre outros benefícios.

Outra opção de cartão de crédito que tem surgido, e está na moda, é o modelo cashback, que é bem parecido com o programa de pontos dos bancos comuns, porém dá pontuação sobre todas as transações feitas em sua conta corrente, (além do cartão de crédito). Transferências, compras com cartão de débito, etc.

Verifique o concierge do seu cartão de crédito, além das salas vips existem serviços gratuitos para serem utilizados pelo simples fato de ter o cartão de crédito, como serviço de chaveiro, o planejamento da sua viagem, entretenimento, até mesmo aulas de culinária, safaris, lembretes para datas importantes (como aniversário de casamento, aniversário), organização de compra e entrega de presentes local ou no exterior, entre outros serviços que cada cartão de crédito pode oferecer.

Agora você precisa fazer seu planejamento, colocando em prática tudo o que vimos: Escolha a melhor anuidade, peça sempre descontos à vista, não parcele até sair do vermelho, avalie o custo benefício da anuidade, verifique a possibilidade de upgrade de cartão de crédito para aumentar a pontuação, procure anotar o valor dos bens e serviços que ganhar com os programas fidelidade, verifique se o seu banco tem a modalidade cashback e então faça as contas de quanto você poderá economizar utilizando seu cartão de crédito. E de novo: NÃO PARCELE MAIS ATÉ SAIR DO VERMELHO. Esses pequenos detalhes farão toda a diferença entre você e o relacionamento com o seu dinheiro.

Um beijo e até a próxima coluna!

Laura Doring

laurapb2 150x150 - Cartão de crédito, amigo ou vilão? Por Laura Döring

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

Veja Também

2 comentários em “Cartão de crédito, amigo ou vilão? Por Laura Döring”

  1. Pingback: Reserva financeira é essencial no momento; leia na coluna de Laura Döring - Reinaldo Bessa

  2. Pingback: Laura Döring ensina empresários a pausar as contas na quarentena

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Laura Doring

laurapb2 150x150 - Cartão de crédito, amigo ou vilão? Por Laura Döring

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

X