DESKTOP

Alunos da PUCPR criam site para levar informações da Covid-19 a surdos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

libras 2 1 1024x469 - Alunos da PUCPR criam site para levar informações da Covid-19 a surdos
O projeto leva informações sobre a Covid-19 por meio da linguagem de sinais. (Foto: Divulgação)

Uma equipe do Programa de Pós-graduação em Tecnologia em Saúde da PUCPR desenvolveu um projeto para ajudar na difusão de informações sobre a Covid-19 aos surdos. Chamado Unidos pela Saúde (www.unidospelasaude.com.br), o projeto leva informações sobre a pandemia por meio da linguagem de sinais. A ideia surgiu da constatação de que faltam materiais em Libras, o que leva as famílias dos deficientes auditivos a ter dificuldade para traduzir as informações técnicas sobre a doença a eles.

O site foi desenvolvido por estudantes mestrandos e doutorandos do programa da PUCPR em conjunto com profissionais de saúde voluntários e estudantes de outras instituições de ensino. O foco principal é levar informações de cuidados de saúde à população em geral de maneira acessível e adaptada às pessoas com deficiências. A partir daí, foi criado o site e vídeos com acessibilidade, gravados em um estúdio improvisado na casa de uma das alunas do projeto.

LEIA TAMBÉM:

Segundo Alexsander Pimentel, mestre em Tecnologia em Saúde, futuro doutorando do PPGTS e tradutor intérprete de Libras, foram dez dias de trabalho desde a concepção da ideia, a produção e edição de vídeos, redação de textos, desenvolvimento da identidade visual, implementação do website e a criação das redes sociais do projeto. “Sempre que vejo e assisto as informações sobre a prevenção da Covid-19 percebo a falta de disponibilizar em Libras. Como tenho contato com pessoas surdas vivencio as reclamações por não colocarem informações direcionadas a elas”, diz Pimentel

De acordo com ele, além da pessoa surda ser excluída do acesso à informação, algumas famílias também não conseguem se comunicar por desconhecer a linguagem de Libras ou os sinais dos termos técnicos. “Há muitos termos técnicos e orientações que a família não sabe passar às pessoas com surdez”, explica. O projeto continuará mesmo após o fim da pandemia.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X