DESKTOP

Dia dos Namorados não anima comerciantes de Curitiba, diz Associação Comercial

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

iStock 1133458277 - Dia dos Namorados não anima comerciantes de Curitiba, diz Associação Comercial
A pesquisa constatou que a expectativa dos lojistas é de uma queda de 46% nas vendas em relação a 2019. (Foto: Divulgação)

Uma pesquisa encomendada pela Associação Comercial do Paraná constatou que a expectativa dos lojistas de Curitiba para o Dia dos Namorados é de uma queda de 46% nas vendas em relação a 2019. A Datacenso ouviu 333 entrevistados, 100 comerciantes e 233 consumidores, entre os dias 29 de maio e 3 de junho. Com grau de confiança de 95%, a pesquisa teve como público 51% do sexo masculino e 49% do feminino. Dentre os entrevistados, 69% moram junto com o parceiro e 31% não moram. Entre os comerciantes 75% estão pessimistas; 6% acham que venderão a mesma coisa; 5% que venderão mais e 14% ainda não sabem. A mesma pesquisa, com resultados parecidos, já havia sido feita para a Páscoa e para o Dia das Mães levando em conta o impacto da pandemia da Covid-19.

Roupas são o presente preferido

O presente preferido para a data neste ano serão as roupas (39%), seguido por jantar/almoço (21%); perfumes e cosméticos (21%); bebidas (14%); flores (12%) e bolsas/acessórios (10%). Este item dá mais de 100% porque podem ser escolhidos mais de um presente. O consumidor, preferencialmente, vai pesquisar os preços antes de comprar (76%) e 24% não irão pesquisar preços. A pesquisa de preços será feita nos sites de busca (45%); sites de lojas (19%); redes sociais (17%) e nos comparadores de preços (13%); indicações de amigos ou familiares e 6% somam outras fontes de pesquisa.

A exemplo do Dia das Mães e da Páscoa, a compra pela internet será a principal escolhida pelos consumidores para o Dia dos Namorados (69%); sendo que 17% pretendem comprar em lojas físicas e 14% em shoppings. O gasto para o presente vai ter uma queda. No ano passado, o gasto médio foi de R$ 138, enquanto neste ano a estimativa é de um gasto de R$ 134.

A pesquisa questionou os consumidores se a pandemia afetou seus ganhos. Para 53% deles sim e 47% disseram que não afetou. Mesmo assim, 80% não vão precisar do auxílio do governo nem de empréstimos bancários. Finalmente, a pesquisa questionou se o consumidor se sente seguro para circular em lugares públicos. Para a maioria, 67%, não e 33% disseram que sim.

LEIA TAMBÉM:

Em relação ao seu próprio negócio, os comerciantes estão preocupados com o futuro (41%) enquanto 30% estão esperançosos; 21% desanimados e 8% aguardam novas oportunidades chegarem. Já em relação à expectativa quanto à economia, 56% estão preocupados; 25% estão desanimados; 13% estão esperançosos e 6% aguardam novas oportunidades. A pesquisa quis saber o impacto da pandemia no comércio de Curitiba. A maior parte dos entrevistados (83%) respondeu que teve de fechar as portas e 17% não precisou fechar. Mas a diferença é grande entre comerciantes de bairro e do Centro. Neste, 8% deles não fecharam contra 23% dos comerciantes de bairros. Já entre os que tiveram de fechar as portas, 92% são do Centro e 77% nos bairros.

A maior parte dos comerciantes ficou sem trabalhar até 15 dias (29%); 21% fecharam de 16 a 30 dias; 19% fecharam mais de 60 dias; 17% entre 31 e 45 dias e 13% entre 46 e 60 dias. A pandemia afetou o comércio curitibano, conforme mostra a pesquisa – 87% tiveram queda nas vendas; 65% tiveram alteração no fluxo de clientes; 56% enfrentaram falta de recursos para pagamento de seus compromissos; 54% ficaram sem capital de giro; 38% fizeram dispensa temporária de funcionários e 32% demitiram. Este item tem total maior do que 100% porque mais de um fator pode ser escolhido.

“Como esperado, a pesquisa revela um comerciante curitibano preocupado com os seus negócios e apreensivo com as vendas do Dia dos Namorados 2020. Assim como os consumidores, que estão comprando somente o necessário”, diz o CEO do Grupo Datacenso, Claudio Shimoyama.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X