DESKTOP

Porto de Paranaguá retoma exportação de automóveis produzidos no estado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

image00021 1024x683 - Porto de Paranaguá retoma exportação de automóveis produzidos no estado
Os veículos, da Renault e da Volkawagen, seguiram para países da América Latina. (Foto: Divulgação)

Uma cena chamou a atenção no Porto de Paranaguá na última quinta-feira (04) quando 1.339 automóveis fabricados no Paraná foram embarcados no navio General San Martin. Os veículos, da Renault e da Volkawagen, seguiram para países da América Latina. Também está prevista a chegada dos navios Michigan HightWay, Grande Argentina, Gran San Paolo e o retorno do General San Martin. Com a retomada da produção das duas montadoras nas fábricas em São José dos Pinhais, e o atendimento da demanda internacional, que estava represada pela pandemia da Covid-19, o porto paranaense receberá, nas próximas semanas, seis navios para o embarque de automóveis produzidos no estado.

Nesta segunda-feira (08), o navio Dover HighWay embarca 2.473 veículos com destino a Argentina, Colômbia e México. De acordo com o diretor de Operações Portuárias do Porto de Paranaguá, Luiz Teixeira Júnior, a retomada das exportações é um indicativo positivo de que o mercado internacional já começa se recuperar. “É importante, também, porque mostra que a indústria brasileira está voltando à normalidade. São empregos na linha de produção, no transporte até o porto e para os Trabalhadores Portuários Autônomos (TPAs), estivadores e arrumadores”, diz.

LEIA TAMBÉM:

Segundo Arnaud Nobre Formiga, gerente de operações da empresa que opera este tipo de embarque, a Marcon Logística Portuária, a tendência é que o ritmo de exportações, aos poucos, retorne ao que era antes da pandemia. “Foram quase dois meses sem movimentações de automóveis no Porto de Paranaguá. O retorno das atividades acontece com todo o cuidado e segurança, para os trabalhadores das fábricas e também aos portuários”, afirma.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X