DESKTOP

Hospitais temem não dar conta do aumento de pacientes se isolamento for relaxado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

zoom 1 - Hospitais temem não dar conta do aumento de pacientes se isolamento for relaxado
Encontro virtual reuniu representantes de hospitais, operadoras de planos de saúde e estabelecimentos de saúde (Foto: Divulgação).

Com o objetivo de traçar uma estratégica única para conter o avanço da Covid 19 em Curitiba e região, representantes dos hospitais, estabelecimentos de saúde, operadoras de planos de saúde e do comércio da capital realizaram uma reunião online nesta sexta-feira (19) com a secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak. Todos os participantes reforçaram o apoio às determinações da prefeitura e do governo estadual de isolamento diante do agravamento da crise da pandemia.

Participaram do encontro os presidentes do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná (Sindipar), Flaviano Feu Ventorim, que conduziu a reunião, da Unimed Curitiba, Rached Traya; da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi), Eduardo Lourenço Barbos; da Fundação Copel e representante do Movimento Pró-Paraná, Marcos Domakoski; da Bradesco Saúde, Maire Oliveira; diretores dos hospitais Marcelino Champagnat, Nossa Senhora das Graças, Vita, Nações, Erasto Gaertner, São Vicente, Maternidade Curitiba, Maternidade Curitiba, Sugisawa e Heildelberg. A Associação dos Hospitais do Paraná (Ahopar), presidida por Márcia Rangel, e a Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa), também presidida por Flaviano Ventorim, e o presidente da Associação Comercial do Paraná, Camilo Turmina, acompanharam a reunião.

Além de apoiar as medidas de restrição das atividades, conscientização da população para o momento crítico, os representantes da área da saúde pediram apoio das entidades representantes da sociedade civil, especialmente no respeito e valorização dos profissionais de saúde que vêm sofrendo preconceito e hostilidade por parte da população no transporte coletivo.

LEIA TAMBÉM:

Os hospitais concordam que há risco iminente de colapso na rede de saúde, caso não sejam respeitadas as medidas de restrição, principalmente o distanciamento social. “É uma situação muito difícil para nós. Temos que tomar decisões todos os dias para tentar proteger a sociedade porque só a abertura de leitos não vai funcionar”, explicou a secretária. Ela se refere à possibilidade de a rede pública de saúde ter que buscar mais leitos na rede privada para atender uma demanda que cresce exponencialmente.

Desde o início da pandemia, em 11 de março, 2.543 casos de novo coronavírus já foram confirmados e 97 pessoas morreram vítimas da Covid 19 em Curitiba. Os dados são desta quinta-feira (18), quando a taxa de ocupação de UTIs SUS para Covid-19 estava em 75%, com 223 leitos ativados. Na quarta-feira (17), os hospitais públicos e privados já estimavam ocupação entre 85% e 100% das UTIs em geral, sem distinção entre Covid e outras internações, pois há hospitais que não têm UTIs específicas.

Os representantes dos hospitais e as operadoras concordam que mesmo colocando mais leitos à disposição da rede pública isso não será suficiente se a propagação do vírus não for contida. E que isso só vai acontecer com o reforço no isolamento social, além das medidas de segurança amplamente divulgadas, como o uso de máscara e a higienização correta das mãos. “Estamos buscando alternativas para garantir mais estrutura para otimizar a utilização dos leitos disponíveis nas redes pública e privada. Avaliamos a possibilidade de um hospital de campanha apenas para as vítimas da Covid 19”, adiantou o presidente do Sindipar, Flaviano Ventorim.

Unimed prevê aumento da demanda hospitalar

O presidente da Unimed Curitiba, Rached Traya, pediu um “salto de ousadia” das autoridades para que a rede de saúde possa se preparar para o aumento da demanda que vai acontecer inevitavelmente, com a chegada de novos casos aos hospitais. Ele elogiou as ações de contenção ao vírus desde que a pandemia começou, mas disse que é preciso reforçar essas medidas antes que o caos se instale. Atualmente Curitiba tem disponíveis 5.730 leitos gerais nos hospitais privados (sendo que 3.588 são associados do Sindipar, Femipa, Ahopar e Fehopar) e 927 UTIs (618 associados das entidades). Dos leitos associados, a ocupação média de UTIs já está entre 85% e 95%, com pacientes com outras doenças e pacientes com a Covid 19.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X