DESKTOP

Pandemia provoca queda de braço entre ACP e Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Reinaldo Bessa

c722751c dff4 45d8 877d 64a1ee0de835 1 - Pandemia provoca queda de braço entre ACP e Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba
Associação Comercial do Paraná e Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba se desentendem. (Foto: Divulgação)

Uma queda de braço se desenrola nos bastidores da pandemia em Curitiba entre a Associação Comercial do Paraná e o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba. A ACP acusa as empresas de ônibus de ser um dos responsáveis pela propagação da Covid-19 conforme carta enviada nesta segunda-feira (22), de forma sigilosa, ao promotor Marcelo Paulo Maggio, da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública do Ministério Público estadual (leia a íntegra da carta ao final). Na carta, Turmina manifesta preocupação com as novas medidas adotadas pelas autoridades de Curitiba e a ausência delas na prática “em setores já conhecidos como focos de propagação da Covid-19”.

O presidente da ACP diz: “Estamos vendo um crescente número de propagação do vírus, bem como estamos vendo diariamente entre nossos associados e funcionários de nossos associados uma superlotação dos ônibus das linhas municipais e das linhas intermunicipais que se ligam à nossa cidade” e cobra fiscalização do poder público e medidas mais enérgicas para não prejudicar o funcionamento do comércio da cidade. Turmina volta a falar na carta na necessidade de Curitiba instituir o toque de recolher – como já fizera na semana passada – entre às 23h e às 6h da manhã para diminuir o consumo de bebidas alcoólicas por jovens que promovem aglomerações.

Nota de repúdio

“Está na hora de parar de transferir responsabilidades e de tomar o transporte coletivo como vilão. A hora é de achar soluções em conjunto”, rebateu o presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba (Setransp), Mauricio Gulin, em nota de repúdio divulgada nesta tarde. Para Gulin, a cada semana o presidente da Associação Comercial arvora-se a dar soluções sobre o funcionamento do transporte coletivo, como se especialista fosse.

De acordo com a nota do Setransp, o que precisa ficar claro é que os ônibus fazem um serviço essencial, levando profissionais da saúde aos seus postos de trabalho, onde lutam contra essa pandemia e salvam vidas e que até por isso passaram a ter preferência na hora do embarque.

LEIA TAMBÉM:

Veja Também

1 comentário em “Pandemia provoca queda de braço entre ACP e Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba”

  1. Sérgio Tadeu Monteiro de Almeida

    Sindicato dos empresas de ônibus deixam de cumprir a Lei Municipal que limitou o número de passageiros em cada ônibus, inclusive proibindo passageiros em pé, porque priorizam o lucro, e não a preservação de vidas, ao não contribuirem para evitar a propagação do coronavirus. O poder público Municipal deveria aplicar multas de elevado valor, a cada vez que fiscalização verificasse o não cumprimento da norma estabelecida. Parabéns ao Presidente da ACP, CamiloTurmina, por sua atuação em defesa da saúde da comunidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X