DESKTOP

Sanepar adota modelo de rodízio mais rígido a partir desta sexta

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Monique Benoski

642371 POMA7B 475 1 1024x684 - Sanepar adota modelo de rodízio mais rígido a partir desta sexta
Sanepar adota novo modelo de rodízio de água em ciclos de 36 horas. (Foto: Divulgação/Freepik)

A partir desta sexta-feira (14), a Sanepar vai adotar um novo modelo de rodízio no fornecimento de água de Curitiba e Região Metropolitana. Serão ciclos de 36 horas, ou seja, a população ficará um dia e meio sem e um dia e meio com água. E agora a divisão será em três grupos de bairros e não mais em cinco. A medida fez-se necessária por causa da forte estiagem que afeta os níveis dos reservatórios do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (Saic).

O anúncio foi feito nesta terça-feira (11) em coletiva com o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, o diretor de Meio Ambiente, Julio Gonchorosky, o diretor de Operações, Sergio Wippel, e o diretor de Comunicação e Marketing, Hudson José. A decisão foi tomada quando o nível médio dos reservatórios chegou a 28,85%, o pior nível da história da medição da Sanepar. Os níveis de cada barragem estão em 10,55% (Iraí), 32,8% (Passaúna), 17,3% (Piraquara I) e 83,3% (Piraquara II).

O sistema de rodízio já está sendo feito desde março, inicialmente para a região Sul de Curitiba e da Região Metropolitana devido à baixa vazão do Rio Miringuava. Em abril, o sistema passou a ser realizado em toda Região Metropolitana, desde então, a cada dia um grupo de 750 mil pessoas, cerca de 20% da população, tem o fornecimento suspenso. Agora, a partir desta sexta-feira (14), serão 1,2 milhão de pessoas sem água a cada dia.

Campanha Meta 20

20200811  Sanepar Coletiva Crise Hidrica105 1 1024x683 - Sanepar adota modelo de rodízio mais rígido a partir desta sexta
O diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, e o diretor de Meio Ambiente, Julio Gonchorosky. (Foto: André Thiago Chaves Aguiar/AEN)

A Sanepar também está lançando a Campanha Meta 20 que sugere que a população economize 20% do seu consumo de água, atitude essencial para que os reservatórios não sequem. De acordo com o presidente da companhia, Claudio Stabile, esses 20% equivalem a 100 milímetros de chuva e com 100 milímetros de chuva ou com a economia da população, é como se ganhássemos um mês de reservação. “A população pode economizar e fazer a sua parte. Com essa mudança de postura, adotando medidas de uso racional, cada cidadão vai nos ajudar a garantir a água nos reservatórios por mais tempo, mesmo sem chuvas”, completa.

O objetivo da campanha é economizar 20% em um mês acompanhando e analisando os resultados a cada 15 dias. Se não houver economia da população ou não chover, pode ter ampliação do tempo sem água se os reservatórios estiverem com índice abaixo de 25%. Neste cenário crítico, a população poderá ficar 48 horas sem e 24 horas com água. O rodízio só será suspenso quando os níveis das barragens estiverem acima de 60% e as chuvas estiverem acima da média histórica. A previsão meteorológica indica que esse quadro deve ocorrer apenas em novembro. Confira a atualização dos níveis das barragens no site da Sanepar.

Caixas d’água

A Sanepar vai distribuir caixas d’água de 500 litros gratuitas para 2800 famílias da Região Metropolitana de Curitiba para que o impacto do novo rodízio seja menor para a população mais vulnerável. As famílias atendidas serão do programa Tarifa Social em áreas do rodízio e em locais onde a recuperação do abastecimento é mais demorada (ponta de rede ou topografia acidentada). As famílias são selecionadas em um processo técnico da Sanepar e receberão um kit para a instalação e a estrutura de suporte da caixa.

LEIA TAMBÉM:

Lavatórios

Serão instalados lavatórios comunitários em locais públicos de várias cidades do Paraná para diminuir o impacto da seca. Estão sendo instalados a princípio 53 lavatórios em 30 municípios. A iniciativa começou em Curitiba e é realizada em parceria com as prefeituras municipais. Os lavatórios são acionados por um pedal, sem contato manual, e têm suporte para sabão. Os custos com água e sabão, a manutenção e a inspeção periódicas ficam a cargo dos municípios.

Em Curitiba e Região Metropolitana são 13 equipamentos instalados em pontos estratégicos, onde há grande circulação de pessoas. E os demais municípios foram selecionados pelos altos índices de contágio da Covid-19, de acordo com informações da Secretaria Estadual da Saúde. Os municípios assinarão Termo de Adesão e Protocolo de Intenções, já que os equipamentos não serão doados pela companhia.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X