Laura Döring fala sobre os direitos do consumidor na coluna Educação Financeira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Direitos dos consumidores e dica para empresários

Laura Döring

157304 OUGQ7E 183 1 1024x683 - Laura Döring fala sobre os direitos do consumidor na coluna Educação Financeira
Muitas pessoas não sabem onde reclamar ou até se têm direito de reclamar sobre problemas com prazos de entrega, produto que era diferente do especificado, etc. (Foto: Divulgação/Freepik)

Todo consumidor, assim como toda empresa, precisam ter proteção de seus direitos. O direito do consumidor de certa forma nos ajuda a economizar. Muitas vezes não ficamos satisfeitos com algo que compramos e sem saber que temos direitos sobre isso deixamos pra lá.

Um exemplo que vem crescendo, são os produtos e serviços pela internet. Muitas pessoas não têm informação de onde reclamar, ou ainda, se têm direito de reclamar sobre o ocorrido; seja pelo prazo da entrega, pelo produto que era diferente do especificado, ou até mesmo problemas com a entrega, má manipulação de produtos, que chegam em péssimo estado, entre outras situações que nos fazem gastar o dobro do que gostaríamos, tendo que pedir novamente o mesmo produto ou serviço, de outra empresa.

O mesmo pode acontecer em estabelecimentos comerciais físicos, tanto com o atendimento do funcionário, como com os produtos ou serviços prestados por eles. Outro exemplo que deve ser percebido, principalmente em momentos de escassez onde a demanda está muito mais alta do que a oferta (como álcool em gel, gasolina), são os preços abusivos, esses devem ser denunciados imediatamente no site do Procon.

Código de Defesa do Consumidor

Caso o consumidor sinta-se lesado por algum motivo, ou tenha alguma dúvida, dentro dos estabelecimentos comerciais existe o Código de Defesa do Consumidor (CDC), que deve estar disponível e de fácil acesso a todos os que frequentarem o estabelecimento. A melhor forma de saber quando procurar o direito do consumidor, é quando você sentir algum desconforto na hora de fazer qualquer tipo de negócio.

O Procon é o órgão responsável, há 30 anos, por amparar o consumidor dos seus direitos listados no Código de Defesa do Consumidor (CDC), mas qual caminho seguir para fazer uma reclamação da maneira correta?

Em primeiro lugar. deve haver a tentativa de entendimento do ocorrido entre a empresa fornecedora do produto ou serviço e o consumidor. Uma vez que não tenha sido atendida essa reclamação, existem sites (como o Reclame Aqui) que são o segundo passo para a tentativa de entendimento e resolução do caso. Normalmente nesses 2 passos as empresas já buscam soluções para não serem notificadas pelo Procon. E em caso de não aceite da reclamação, deve ser preenchido o formulário de reclamação pelo site do Procon.

Atente-se

249376 P3VTPU 283 1 1024x683 - Laura Döring fala sobre os direitos do consumidor na coluna Educação Financeira
Outro exemplo que deve ser percebido são os preços abusivos, esses devem ser denunciados imediatamente no site do Procon. (Foto: Divulgação/Freepik)

Agora na pandemia, algumas cláusulas, que mudam de cidade para cidade, foram acrescentadas como medidas de segurança. Então fique atento para saber como está na sua região e ficar amparado pelos seus direitos. Inclusive, em caráter de exceção, nesse momento as reclamações deverão ser direcionadas ao site consumidor.gov.br e somente em caso de não estarem cadastradas nesse site deve-se entrar em contato direto pelo site do Procon.

Quando falamos em reclamação de instituições financeiras, como atualização de contratos de empréstimos, venda casada de produtos, taxas abusivas, entre outras, o caminho é o mesmo: buscar entendimento junto à instituição; não tendo resolução, abrir reclamação no Reclame Aqui; se não resolvido, abrir reclamação no site do BACEN (Banco Central do Brasil).

Cuidado, porque as empresas também são amparadas juridicamente quando um consumidor pretende se prevalecer do seu “direito” e burla o código do consumidor em benefício próprio.

Dica para empresários

Muitos empresários, na correria do dia a dia, não instruem seus funcionários sobre os direitos dos consumidores e a maior parte das reclamações nos sites especializados acaba sendo consequência dessa falta de entendimento. Esse estresse aumenta, em consequência da falta de orientação, e começam a surgir reclamações nos sites competentes ou até mesmo na justiça, no tribunal de pequenas causas, por exemplo. Isso gera perda de lucratividade para o estabelecimento e diminui a confiança dos clientes ao ver queixas nos sites de reclamação oficiais.

LEIA TAMBÉM:

Então fique atento, se você é empresário tenha sempre o Código de Defesa do Consumidor visível para funcionários e clientes e mantenha a nota da sua empresa confiável, para atrair novos compradores e fidelizar os já existentes. E se você é consumidor, agora já sabe como proceder e pode começar a economizar, buscando informação nos sites competente e resolvendo sempre da melhor forma os seus problemas com as empresas que fizer negócio.

Um beijo e até a próxima coluna.

uniteD we vote 4 1024x1024 - Laura Döring fala sobre os direitos do consumidor na coluna Educação Financeira

Lembre-se: a cada 15 dias você pode conferir a #dicadalaura no Instagram e no Facebook do Portal Reinaldo Bessa.


Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Laura Doring

laurapb2 150x150 - Laura Döring fala sobre os direitos do consumidor na coluna Educação Financeira

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Laura Doring

laurapb2 150x150 - Laura Döring fala sobre os direitos do consumidor na coluna Educação Financeira

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

X