DESKTOP

Pesquisa mostra que maduros não querem ser chamados de “grupo de risco”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Monique Benoski

14954 1 1024x683 - Pesquisa mostra que maduros não querem ser chamados de “grupo de risco”
Entre os mais de quatro mil entrevistados, 39,2% consideram que a denominação “grupo de risco” fez aumentar o preconceito em torno desses profissionais. (Foto: Divulgação/Freepik)

A terceira idade está enfrentando um obstáculo a mais trazido pela pandemia do novo coronavírus, a “velhofobia” do mercado de trabalho. Se antes o público maduro já lidava com o preconceito do mercado competitivo que não reconhece sua experiência e comprometimento, agora, com a pandemia, além do isolamento social, da perda de pessoas queridas e das consequências econômicas, quem tem mais de 50 anos precisa enfrentar o rótulo “grupo de risco”.

Uma pesquisa realizada pela plataforma Maturi, voltada à geração de oportunidades e capacitação do público 50+ (os maturis), revela que, entre os mais de 4 mil entrevistados, 39,2% consideram que a denominação “grupo de risco” fez aumentar o preconceito em torno desses profissionais. Para essa parcela da população, o rótulo causa a má impressão de que pessoas maduras são mais frágeis, suscetíveis a doenças e, por isso, não são positivas para as empresas. Além disso, quem discorda da nomenclatura afirma que, na atual situação do mundo, comportamentos de risco são o que verdadeiramente importam e que não são ditados pela idade.


LEIA TAMBÉM:

De acordo com o CEO da Maturi, Mórris Litvak, o preconceito é um dos maiores obstáculos dos maturis quando o assunto é a busca por oportunidades. “Uma visão errônea que muitos empregadores possuem é de que os maduros não são digitais. Pelo contrário, percebemos uma participação muito ativa deles em nossos cursos e eventos online, além da familiaridade com as ferramentas tecnológicas”, diz.

Oportunidades

A Maturi, que é pioneira no Brasil, nasceu para driblar os obstáculos que o público acima dos 50 anos enfrenta na hora de procurar uma vaga de emprego. No início, a plataforma tinha como objetivo principal conectar profissionais maduros e experientes a empresas. Porém, percebeu-se a necessidade de oferecer mais ferramentas para os profissionais buscarem oportunidades e ir além do modelo de emprego tradicional, com forte incentivo ao empreendedorismo.

Litvak comenta que a Maturi percebeu que, além de encontrar vagas, era preciso investir em conhecimento, capacitação e estímulo de novos horizontes para que esses profissionais pudessem abrir seus próprios negócios. Uma das ações da plataforma é a realização do MaturiFest, um evento anual e pioneiro com três edições, que, por meio de palestras, workshops e salas de networking, fomenta o empreendedorismo para o público 50+. Este ano, em formato digital, o MaturiFest reuniu mais de 8 mil participantes de todo o país.

Em 2019, José Coelho, de 60 anos, foi um dos mais de 500 participantes do evento presencial e hoje é sócio da The Plot Company. “O evento abriu portas, me conectou com pessoas que viviam o mesmo contexto e me inspirou a seguir meu próprio caminho no mundo das startups e do empreendedorismo”, conta. Atualmente, a plataforma registra mais de 80 mil acessos mensais, o que demonstra a vontade e o engajamento desse público em buscar oportunidades. Nos seus cinco anos de atuação, mais de mil empresas e 150 mil profissionais já se cadastraram na plataforma.

Principais resultados da Pesquisa Maturi

Sexo52% mulheres e 48% homens;
Estado civil61% casados ou em união estável, 22% divorciados, 14% solteiros e 6% viúvos;
Durante o isolamento social77% só saem para o essencial, 12% não saem de casa de modo algum, 9% saem para trabalhar e 2% não aderiram ao isolamento;
Renda27,9% tem renda entre R$5mil e R$10 mil; 20,5% tem renda entre R$3mil e R$5mil; 20,3% ultrapassam os R$10mil e 27,1% possuem rendimentos até R$3 mil;
Estratégias financeiras durante a pandemia60,1% reduziram ou cortaram gastos, 31,4% não precisaram recorrer a nenhuma estratégia a curto e médio prazo, 30,5% procuraram por um novo ou segundo emprego, 26,8% retiraram alguma quantia da poupança e 0,4% recorreu ao auxílio emergencial do Governo Federal. Obs: Nesta questão, os entrevistados poderiam assinalar mais de uma opção;
Os maturis no mercado38,1% são empresários ou empregadores; 34,7% têm empregos formais; 32,5% são autônomos, prestadores de serviço ou profissionais liberais; 10,9% estão desempregados; 10,3% têm empregos informais e 2,4% são aposentados.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X