DESKTOP

5 tendências em imóveis de luxo pós-pandemia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

delivery em predios
Pesquisa realizada com 1.500 internautas brasileiros, em 2020, revela crescimento de 26% nos pedidos de delivery de refeições por meio de algum aplicativo. (Foto: Divulgação)

A pandemia forçou a população a mudar radicalmente seus hábitos e colocou a casa no centro das atenções dos moradores. O trabalho remoto, a suspensão das aulas e a mudança na rotina doméstica, em função da necessidade de isolamento social, trouxe diversos questionamentos sobre o imóvel. Com isso, a Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR) separou 5 tendências  em imóveis de luxo no pós-pandemia.

“As pessoas precisaram ficar em casa por um longo período e isso trouxe reflexões sobre o estilo de vida e as necessidades atendidas ou não. A busca por alternativas aqueceu o mercado imobiliário, especialmente nesse momento de queda histórica da taxa de juros”, comenta presidente da Ademi-PR, Leonardo Pissetti,

LEIA TAMBÉM:

Confira as tendências:

1.  Espaço para delivery

Pesquisa realizada com 1.500 internautas brasileiros, em 2020, revela crescimento de 26% nos pedidos de delivery de refeições por meio de algum aplicativo. Facilitar o acesso de entregadores e motoristas de aplicativos está entre as preocupações dos novos edifícios em grandes centros urbanos, em vias com fluxo intenso de veículos.

Nesse cenário, o porte-cochère ganha relevância. Na entrada do edifício, o espaço funciona como acesso social e possibilita que veículos realizem embarque e desembarque.

Também começam a aparecer nos empreendimentos imobiliários o espaço refrigerado para delivery, que permite ao morador fazer a compra do mercado online, inclusive de alimentos perecíveis, e retirar ao chegar em casa.

2.  Home Office

Outro estudo, feito com 1.566 profissionais em home office, mostra que 70% deles gostariam de continuar trabalhando de casa pós-pandemia. Ainda, revela que a adesão ao home office cresceu para cargos de nível superior, gestores e professores. O ensino à distância também deve passar a fazer parte da rotina das escolas, especialmente nesse momento de transição.

“No último ano, a casa foi intensamente compartilhada com o trabalho. Ainda não temos a certeza no nível de compartilhamento desses usos no pós-pandemia, mas acreditamos que a demanda existirá. Por isso, as construtoras e incorporadoras já estão atualizando seus projetos imobiliários para atender essa nova exigência do comprador quanto à tecnologia e ao espaço”, opina Pissetti.

É preciso que os novos edifícios tenham infraestrutura adequada para atender essa demanda por conectividade. Tecnologia wireless em toda a área comum e cabeamento em todo o apartamento para facilitar a automação e a conexão ao futuro 5G, assim como espaços para home-office dentro dos imóveis ou na área comum dos condomínios tornam-se mais comuns.

3.  Sustentabilidade

sistema de bandeiras tarifárias para a cobrança de energia elétrica foi retomado em dezembro do ano passado. Ele tem níveis de classificação que determina o valor que o consumidor terá que pagar, em função da demanda e da capacidade de produção em determinado período. Isso significa que a conta pode ficar mais cara de um mês para outro.

A redução dos recursos hídricos torna urgente novos hábitos de consumo e o uso de energia renovável. Em Curitiba por exemplo, o Mirage Silva Jardim terá 100% da área comum atendida por energia solar, que será gerada por meio de painel instalado no telhado do prédio. Em 12 meses, o sistema vai gerar uma economia de R$ 7.200,0 ao condomínio.

4.  Conforto e bem-estar

Sentir-se bem em casa passou a ser prioridade no pós-pandemia. Isso está relacionado tanto a conforto, quanto a ter condições de receber as pessoas em casa, já que as reuniões menores e mais intimistas voltaram a ser comuns.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) um ser humano adulto vive de 80 a 90% do seu tempo em ambientes fechados. Conforto acústico e térmico, iluminação e ventilação natural e integração dos espaços tornam-se características importantes para o comprador do imóvel, ainda mais no pós-pandemia.

5. Integração com a natureza

Integrar os ambientes internos e externos é uma forte tendência para os projetos imobiliários. A aproximação com a natureza está presente tanto dentro de casa – com ambientes no estilo Urban Jungle –, quanto na área comum dos prédios. A biofilia é uma aliada para a saúde. “Quando elementos da natureza são incorporados às edificações, seja de maneira direta ou indireta, há a redução dos níveis de estresse, proporcionando o bem-estar”, lembra Pissetti.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

blank

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank
X