ACP pede que o Paraná não seja prejudicado no rateio das vacinas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

blank
O Paraná recebeu 48 mil doses a menos do que o previsto pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). (Foto: Divulgação/AEN)

O presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Camilo Turmina, disse nesta segunda-feira (25) que as lideranças políticas devem estar atentas para que o estado não seja prejudicado na distribuição das vacinas contra a Covid-19. O dirigente fez este comentário a propósito da informação de que o Paraná recebeu menos doses do que esperava, conforme o secretário estadual de saúde Beto Preto. “Temos esperança de que isto seja corrigido nos próximos dias, mas é preciso que fiquem claros os critérios de distribuição, pois a vacina não deve ser motivo de conflitos”, afirma Turmina.

O Paraná recebeu 48 mil doses a menos do que o previsto pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), com isso o governo estadual irá enviar nota técnica ao governo federal pedindo mais doses com base na distribuição proporcional à população do estado. Chamou também a atenção da ACP a notícia de que o Paraná recebeu menos doses do loyte AstraZeneca (86,5 mil) do que o Rio Grande do Sul (116 mil), embora tenha população maior.

Ao todo, o Paraná recebeu 265,6 mil doses da CoronaVac e 86,5 mil da vacina de Oxford/AstraZeneca, totalizando 352,1 mil unidades. A expectativa da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) era receber cerca de 400 mil doses, no total.

LEIA TAMBÉM:

“É óbvio que não se trata de disputa política em uma questão tão séria de saúde pública, mas nossa preocupação é que o estado seja tratado de forma justa e equitativa. Daí que chamamos a atenção de nossa representação em Brasília para que o Paraná seja respeitado”, comenta Turmina, lembrando que historicamente o estado não recebe o devido retorno do governo federal proporcionalmente ao que arrecada em impostos federais.

“Veja o exemplo da educação: pagamos altos custos com educação superior e temos menos universidades federais em relação a outros estados, com sete universidades estaduais e apenas três federais. Temos os pedágios mais caros do Brasil. Fazemos estas observações só a título de alerta para que nossa representação em Brasília esteja atenta aos interesses de todos os paranaenses, independente de cores partidárias ou ideologia”, finalizou.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

1 comentário em “ACP pede que o Paraná não seja prejudicado no rateio das vacinas”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X