Agravamento da pandemia reduz a confiança dos empresários; nova onda pode piorar situação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Pandemia não dá trégua e afeta confiança dos empresários de Curitiba. (Foto: Ari Dias/AEN)

O agravamento da pandemia no país e no Paraná vem afetando a confiança dos empresários. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), caiu 5,0% em maio. Ao baixar para 98,0 pontos, chegou ao patamar de insatisfação pela primeira vez em sete meses, por estar abaixo dos 100 pontos. A redução do ICEC foi mais acentuada no Paraná do que na média nacional, que teve redução de 1,2% em relação a abril.

Gráfico: Divulgação/Fecomércio

A avaliação das Condições Atuais do Empresário do Comércio (ICAEC) teve a maior influência desta redução, com baixa de 10,8% na comparação com abril, ao atingir apenas 63,5 pontos. Com 135,2 pontos, as Expectativas do Empresário do Comércio (IEEC) ainda são consideradas satisfatórias, mas tiveram diminuição de 3,3% na variação mensal. O aspecto Investimentos do Empresário do Comércio (IIEC) está em 95,3 pontos e teve queda de 3,2% ante abril.

Apesar da redução no Índice de Confiança do Empresário, as empresas de maior porte (com mais de 50 empregados) continuam os mais confiantes: o indicador subiu 1,1% em relação ao mês anterior, ao passar de 123,5 pontos em abril para 124,8 pontos em maio; e todos os subíndices se mantêm acima dos 100 pontos desde setembro de 2020. Confira a pesquisa neste link.

Gráfico: Divulgação/Fecomércio

Quarta onda de Covid-19 no Paraná

Dados divulgados pela Universidade Federal, onde um grupo de pesquisadores faz o monitoramento da pandemia no estado, apontam que o Paraná poderá sofrer uma nova onda de contaminações e mortes por Covid-19, nos próximos dias.

Com base nos números divulgados pela no boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Paraná, no início de maio a taxa média de ocupação nos leitos exclusivos para tratamento do novo coronavírus, ficou em 93%, sendo em em 18 de maio já tinha passado para 95%. A região Leste do Paraná apresentava 96% de ocupação e indicam a virtual saturação da capacidade de atender novos pacientes de Covid-19 no estado do Paraná.

Especialistam apontam que Curitiba será atingida por uma nova onda da doença. Segundo a análise dos casos, até o dia do estudo (18/05) após períodos de baixo isolamento social, as taxas de casos aumentam e depois as mortes se mostram também crescentes. Em concordância com esse corolário, a análise de média móvel do número de casos diários no estado do Paraná (casos por data de diagnóstico) indica tendência de crescimento.

LEIA TAMBÉM:

No boletim com dados de Curitiba divulgado neste domingo (23) a taxa de ocupação dos 525 leitos de UTI SUS exclusivos para Covid-19 esteve em 95%. Restavam 28 leitos livres. A taxa de ocupação dos 726 leitos de enfermarias SUS Covid-19 esteve em 95%, com 38 leitos vagos.

A taxa de ocupação de UTIs continua muito alta. Por exemplo, em Curitiba a taxa de ocupação de UTIs exclusiva Covid-19 é superior a 90% e o sistema trabalha a plena capacidade há quase 3 meses. No resto do estado do Paraná a situação é semelhante, com todas as macrorregiões apresentando ocupação de leitos de UTI exclusiva para Covid-19 também acima de 90% nos últimos meses.

O atual virtual esgotamento leitos de UTI Covid-19 demonstra que o sistema de saúde não suportará uma nova escalada nos números de internamento e, por isso, reforçamos a necessidade de esforços para conter a taxa de transmissão do SARS-CoV-2.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:


Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X