Antiga sede da Belas Artes terá apoio da prefeitura de Curitiba para ser restaurada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

A primeira sede da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), na Rua Emiliano Perneta, 179, no Centro de Curitiba. (Foto: Portal Reinaldo Bessa)

Construído em 1930 e primeira sede da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap), a partir de 1948, o prédio da Rua Emiliano Perneta, 179, no Centro de Curitiba, contará com o suporte da prefeitura de Curitiba para ser restaurado e transformado em espaço de difusão cultural. “Vemos a Escola de Belas Artes como efetivo patrimônio cultural do Paraná. É uma vergonha deixar um prédio daquela magnitude em ruínas”, afirmou o prefeito Rafael Greca durante reunião com os representantes do Movimento Viva-Embap-Viva, nesta terça-feira (19), na prefeitura.

O suporte do município é possível por intermédio da ferramenta da transferência do potencial construtivo do imóvel e depende de convênio com o governo do estado, seu proprietário. No encontro, Greca recebeu dos representantes do movimento um abaixo-assinado com cerca de sete mil assinaturas coletadas pelo portal Change.org, além de mensagens impressas em apoio à recuperação completa do prédio, que se encontra em situação precária há anos.

Documento com mesmo conteúdo foi entregue, no último dia 13 , ao vice-governador Darci Piana. Representando o Movimento Viva-Embap-Viva, estiveram na reunião com Greca a artista plástica e ex-professora da Embap Estela (Teca) Sandrini, a crítica de arte e ex-diretora da escola Maria José Justino, o senador Flavio Arns, o superintendente estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona, a reitora da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Salete Sirino, e o diretor da Embap, Marco Aurélio Koentopp, entre outros.

O prefeito Rafael Greca recebeu os representantes do Movimento Viva-Embap-Viva na prefeitura nesta terça-feira (19). (Foto: Daniel Castellano/SMCS)

Acompanharam o prefeito, a secretária Municipal do Meio Ambiente, Marilza Dias, o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Luiz Fernando Jamur, e o arquiteto Mauro Magnabosco, coordenador do projeto Rosto da Cidade. “Temos muito interesse na volta das Belas Artes para aquele espaço, mas precisamos do governo do estado, que é proprietário do prédio”, reforçou Greca.

Para o prefeito, uma vez restaurado, o prédio histórico poderá ser um dos símbolos dos 200 anos da Independência do Brasil no Paraná, a serem celebrados em 2022. Na opinião do senador Flávio Arns, o apoio de Greca é essencial para que a antiga sede da Embap volte a funcionar como endereço de cultura. “O prefeito é uma pessoa altamente ligada à área cultural e que sabe da importância dessa recuperação. A prefeitura, colocando o potencial construtivo à disposição, irá gerar turismo, difusão cultural, emprego e renda e será um benefício para a área da arte em Curitiba”, disse Arns.

A artista plástica Teca Sandrini, uma das líderes do Movimento Viva-Embap-Viva, destacou a integração de esforços pela recuperação do prédio da “Belas”, como a escola é conhecida. “Me emociono quando vejo todo esse grupo unido em prol da Belas Artes, sou apaixonada por aquela escola”, afirmou Teca, que antes de ser professora foi aluna dos mestres da pintura Theodoro de Bona e Guido Viaro.

Unidade de Interesse de Preservação (UIP), o imóvel tem 1.246 m² de área construída e está instalado em um terreno de 1.199,29 m². O potencial construtivo é de 6.043,16 m², calculado pela multiplicação da área total pelo coeficiente de ocupação do endereço (4, conforme a Lei de Zoneamento e Uso do Solo) somado à área edificada. A legislação municipal permite a comercialização do potencial no mercado da construção civil, sem que haja interferência da prefeitura, podendo os valores da venda ser aplicados para a execução dos projetos e obras de restauro.

Nova sede

Além da Casa ou Palácio das Artes que poderá funcionar no antigo endereço da escola como polo cultural a partir da restauração, a Escola de Música e Belas Artes poderá vir a contar com uma nova sede, na Rua Salvador Ferrante, 1.651, no Boqueirão, junto à estrutura do Centro de Treinamento do Magistério do Estado do Paraná (Cetepar).

LEIA TAMBÉM:

“O Cetepar é uma unidade da Secretaria da Educação do estado com a estrutura de um campus universitário que pode abrigar a Escola de Belas Artes”, disse o superintendente estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona. A definição depende de tratativas internas do governo do estado. A ideia conta com a aprovação do prefeito Rafael Greca.

Fundada em 17 de abril de 1948, a Embap foi a primeira escola de artes paranaense de nível superior em Curitiba. Por suas salas de aula passaram muitos artistas, educadores e agentes culturais. É considerada um marco fundamental da formação de importantes profissionais no campo das artes plásticas e música no estado do Paraná. Entre os alunos e professores de destaque da Belas estiveram o maestro Bento Mossurunga, que compôs o Hino do Paraná, os pintores Theodoro de Bona e Guido Viaro, o escultor Erbo Stenzel, o compositor Zbigniew Henrique Morozowicz (Henrique de Curitiba) e os pintores Fernando Velloso, Fernando Calderari, Juarez Machado e João Osório Brzezinski, entre muitos outros.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X