Após 133 dias, Curitiba volta para a bandeira amarela; veja o que muda com novo decreto

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

As novas regras da bandeira amarela valem a partir desta quinta-feira (8) e são bem mais flexíveis. (Foto: Portal Reinaldo Bessa)

Conforme o portal já havia anunciado com exclusividade, Curitiba volta para a bandeira amarela nesta quinta-feira (8), após mais de cem dias com medidas rígidas para o funcionamento do comércio e atividades, sob as bandeiras laranja e vermelha. O anúncio foi confirmado pelo prefeito Rafael Greca, que fez questão de gravar um vídeo acompanhado pela primeira-dama Margarita Sansone agradecendo às pessoas por terem respeitado as medidas restritivas que impediram o avanço da Covid-19.

A retomada foi possível após a desaceleração da pandemia na cidade. O Comitê de Técnica e Ética Médica avaliou os indicadores epidemiológicos da semana de 1º a 7 de julho. O resultado foi de melhoria do cenário. A nota da bandeira ficou em 1,7. Na semana anterior, estava em 2.
As novas regras serão definidas pelo Decreto Municipal 1.130/2021, que será publicado ainda nesta quarta-feira (7). As medidas começam a valer amanhã, quinta-feira (8), até 21 de julho.
Principais mudanças

Na bandeira amarela, além da ampliação de horários para funcionamento de algumas atividades, haverá também a retomada do atendimento presencial aos domingos. Eventos corporativos de interesse profissional também poderão ser realizados, mas com limitação máxima de até 100 pessoas, com garantia de distanciamento adequado e respeito às regras e protocolos sanitários.

Podem voltar funcionar, com 50% de ocupação, teatros, cinemas e bares, mas todos deverão seguir protocolos específicos e manter as medidas e comportamentos para evitar a transmissão do novo coronavírus. Também voltam a funcionar, com restrições de horário e regras, os espaços para práticas esportivas coletivas.
Cenário de alerta

A Secretaria Municipal da Saúde alerta que a adoção da bandeira amarela não significa a retomada da normalidade. Trata-se de uma flexibilização do funcionamento da economia, o que exige ainda mais cautela na adoção das medidas preventivas.

Indicadores

A capacidade de resposta do sistema hospitalar para a Covid-19 é o indicador com melhor desempenho. A taxa de internamento em leitos clínicos caiu de 81%, em 30 de junho, para 56% nesta quarta-feira (7). Já a taxa de ocupação de leitos de UTI caiu de 93% para 81%, no mesmo período.

O número de casos ativos mantém queda discreta. Na semana anterior eram 7.932 e no último boletim diário, nesta terça (6), 7.341. O número indica a quantidade de pessoas com capacidade de transmissão do vírus. Por outro lado, a taxa de retransmissão do vírus, que indica o número de novos contaminados por cada pessoa que estiver na fase ativa da doença, exige atenção. Embora ainda abaixo de 1, a taxa subiu de 0,85 para 0,95.

Atividades suspensas

– Estabelecimentos destinados ao entretenimento, tais como casas de shows, casas noturnas e atividades correlatas
– Eventos esportivos com público externo
– Estabelecimentos destinados a mostras comerciais, feirões e feiras de varejo
– Tabacarias
– Reuniões com mais de 50 (cinquenta) pessoas, incluindo comemorações, confraternizações e encontros familiares, em espaços de uso público, localizados em bens públicos ou privados
– Circulação de pessoas, no período das 23 às 5 horas, em espaços e vias públicas, salvo em razão de atividades ou serviços essenciais e casos de urgência
– Consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas

Atividades com restrições

– Atividades comerciais de rua não essenciais, galerias e centros comerciais: das 9 às 19 horas, em todos os dias da semana
– Atividades de prestação de serviços não essenciais, tais como escritórios em geral, salões de beleza, barbearias, atividades de estética, serviços de banho, tosa e estética de animais, floriculturas, imobiliárias: das 9 às 21 horas, em todos os dias da semana
– Academias de ginástica e demais espaços para práticas esportivas individuais: das 6 às 23 horas, em todos os dias da semana
– Shopping Centers: das 10 às 22 horas, em todos os dias da semana
– Restaurantes de rua: das 10 às 23 horas, em todos os dias da semana, com a entrada dos clientes até 22 horas e encerramento das atividades de atendimento ao público até 23 horas, permitido o consumo no local, inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (selfservice), sendo autorizado até às 23 horas nas modalidades delivery, drive-thru e take away
– Lanchonetes de rua: das 6 às 23 horas, em todos os dias da semana, com a entrada dos clientes até 22 horas e encerramento das atividades de atendimento ao público até 23 horas, permitido o consumo no local, inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (selfservice), sendo autorizado até às 23 horas nas modalidades delivery, drive-thru e take away
– Restaurantes e lanchonetes, localizados em shopping centers, galerias e centros comerciais, estão autorizados a operar aos domingos, por meio de entrega de produtos em domicílio (delivery) e a retirada expressa sem desembarque (drive-thru), ficando permitida a retirada em balcão (take away) e o consumo no local, aplicando-se, em todos os dias semana
– Comércio ambulante de rua de alimentos e bebidas: das 6 às 23 horas, em todos os dias da semana
– Panificadoras, padarias e confeitarias de rua: das 6 às 21 horas, em todos os dias da semana, permitido o consumo no local
– Lojas de conveniência em postos de combustíveis: das 6 às 23 horas, em todos os dias da semana, permitido o consumo no local
– Para os seguintes estabelecimentos e atividades, das 6 às 22 horas, em todos os dias da semana, sendo autorizado até às 23 horas na modalidade delivery:
a) comércio varejista de hortifrutigranjeiros, quitandas, mercearias, sacolões, distribuidoras de bebidas, peixarias e açougues
b) mercados, supermercados e hipermercados
c) comércio de produtos e alimentos para animais
d) feiras livres
e) lojas de material de construção
– Parques infantis e temáticos: das 6 às 21 horas, em todos os dias da semana, sendo permitida apenas a utilização de equipamentos/brinquedos e espaços lúdicos com o distanciamento mínimo de 1,5 (um metro e meio) entre os usuários, em todas as direções, realizada a assepsia após o uso por cada pessoa ou grupo de pessoas, vedado o funcionamento de piscina de bolinhas
– Feiras de artesanato, teatros, cinemas, museus e circos: das 9 às 22 horas, em todos os dias da semana
– Espaços para práticas esportivas coletivas: das 6 às 22 horas, em todos os dias da semana
– Casas de festas e de recepções, incluídas aquelas com serviços de buffet, e salões de festas em clubes sociais e condomínios: das 9 às 23 horas, em todos os dias da semana, sendo autorizado até 50 (cinquenta) convidados, condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal da Saúde
– Eventos corporativos, de interesse profissional, técnico e/ou científico, como jornadas, seminários, simpósios, work shops, cursos, convenções, fóruns e rodadas de negócios: das 9 às 21 horas, em todos os dias da semana, sendo autorizado até 100 (cem) participantes, condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal da Saúde
– Bares de rua: das 10 às 23 horas, em todos os dias da semana, com a entrada dos clientes até 22 horas e encerramento das atividades de atendimento ao público até 23 horas, permitido o consumo no local, inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (selfservice), sendo autorizado até às 23 horas nas modalidades delivery, drive thru e take away, vedado o funcionamento de lounges (áreas de sala de espera);
– Hotéis, resorts, pousadas e hostels deverão funcionar com até 70% (setenta por cento) da sua capacidade de público
– Nos parques e praças, fica permitida a prática de atividades individuais ao ar livre, com uso de máscaras, que não envolvam contato físico entre as pessoas, observado o distanciamento social
– As igrejas e os templos de qualquer culto deverão observar a Resolução n.º 440, de 30 de abril de 2021, da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná, que regulamenta a realização das atividades religiosas de qualquer natureza

LEIA TAMBÉM:

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

1 comentário em “Após 133 dias, Curitiba volta para a bandeira amarela; veja o que muda com novo decreto”

  1. A ocupação de leitos não é parâmetro para se tomar estas atitudes. Quando parece que “teoricamente” vai voltar ao normal surge novo decreto mudando a bandeira. Não faz sentido, deveriamos dar mais um tempo para termos certeza que a população esta devidamente segura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X