Bombeiros salvam homem que ficou seis dias perdido no Pico Paraná

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

O Corpo de Bombeiros resgatou com vida um homem que estava perdido há seis dias na região do Pico Paraná. (Foto: Grupo de Operações de Socorro Tático)

Um jovem que estava desaparecido no Pico Paraná, na região metropolitana de Curitiba, desde o feriado de 7 de setembro, foi resgatado neste domingo (12) pelo Corpo de Bombeiros do Paraná. Foram mais de 120 horas de buscas e uma grande estrutura mobilizada por meio do Grupo de Operações de Socorro Tático (Gost) para a localização e resgate de Maicon Willian Batista, de 28 anos. A operação contou também com a ajuda do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA).

O Pico Paraná fica entre os municípios de Antonina, no Litoral, e Campina Grande do Sul, no conjunto de serra Ibitiraquire. As equipes percorreram vários quilômetros a pé na mata. Após a localização, o rapaz foi resgatado da montanha por uma aeronave e encaminhado ao hospital Angelina Caron. A retirada do jovem da mata emocionou os bombeiros, voluntários e integrantes do BPMOA. De acordo com o capitão Alexis Iverson Martins, comandante do Gost, o trabalho foi um sucesso e Maicon foi localizado com vida.

Informações repassadas aos bombeiros apontavam que ele integrava um grupo que subiu o Morro do Getúlio na segunda-feira (6), mas depois de completar essa etapa teria se separado dos demais para ir sozinho ao Pico Paraná. Maicon concluiu a subida, teria feito comunicação com o grupo por volta das 17 horas e avisou que havia programado a descida para as 18h do mesmo dia. Ainda não se sabe como ele acabou perdido e sem contato com os demais amigos e familiares.

Operação

Foram mais de 120 horas de operação com uma grande estrutura para busca e resgate da vítima por meio do Grupo de Operações de Socorro Tático (GOST). (Foto: Grupo de Operações de Socorro Tático)

A operação de resgate envolveu mais de 80 pessoas. Os bombeiros fizeram um planejamento para encontrá-lo e demarcaram perímetros na mata, monitoramento das trilhas principais e acessórias e atividades georreferenciadas, contando com o apoio dos voluntários do Cosmo (Corpo de Socorro em Montanha), da Fepam (Federação Paranaense de Montanhismo) e do BPMOA.

Uma busca minuciosa foi feita em toda a extensão da trilha, avançando para os picos adjacentes. As equipes ainda percorreram trilhas em que a vítima poderia estar e, para agilizar a comunicação, foram instalados repetidores móveis, ampliando a cobertura de sinal de rádio entre os profissionais. “Durante o período, o BPMOA auxiliou no transporte dos bombeiros da base até o local de buscas. Foram 25 profissionais transportados ao Pico Paraná, o que possibilitou diminuir o cansaço das equipes durante o trabalho. Foram mais de 11 horas de voo entre buscas e transporte de tropa”, explica o tenente Henrique Arendt Neto, do BPMOA.

Resgate final

A vítima foi localizada pelo Gost na manhã de domingo (12), debilitada e com vários ferimentos. Depois disso, iniciou-se a operação de resgate final que acabou no fim do dia. “Uma guarnição entrou no vale do Cacatu no sábado de manhã e pernoitou no local. As buscas foram reiniciadas na manhã de domingo, quando os bombeiros fizeram uma pausa e chamaram pelo o rapaz pelo nome, que respondeu com pedidos de socorro. A equipe chegou até ele, fez os curativos e após hidratá-lo e alimentá-lo iniciou a remoção”, detalha o capitão Alexis Martins. Do local encontrado, no vale do Cacatu, até o acampamento 2, onde o BPMOA poderia chegar para fazer o resgate, foram quatro horas de caminhada.

LEIA TAMBÉM:

Orientações


Para evitar situações como a vivida por Maicon, o Corpo de Bombeiros orienta que a preparação para fazer uma trilha ou uma escalada vá além da vontade e condicionamento físico. A primeira dica é que antes de sair para praticar alguma atividade deste tipo, a pessoa busque o máximo de informações possível sobre o local pretendido, principalmente sobre as condições climáticas, pontos de risco e nível de dificuldade. Morros que podem ser frequentados geralmente possuem placas e demarcações para as pessoas seguirem o caminho correto, evitando pontos perigosos. Seguir essas marcações é muito importante. Recomenda-se estar sempre acompanhado de alguém mais experiente. Se aventurar por caminhos e paredes não conhecidos aumenta o risco de acidentes graves e até morte.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X