DESKTOP

Câmara aprova o regime de urgência para punir quem tentar furar a fila de vacinação da Covid-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

fila em curitiba
Com iniciativa do Professor Euler (PSD), Câmara Municipal de Curitiba aprova o regime de urgência ao projeto de lei que estabelece sanções administrativas para quem tentar furar a fila de vacinação da Covid-19. (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) aprovou nesta terça-feira (01), por unanimidade em votação simbólica, o regime de urgência ao projeto de lei que estabelece sanções administrativas para quem tentar furar a fila de vacinação da Covid-19. Além disso, a alteração do Programa de Recuperação Fiscal de Curitiba – Refic Covid-19, também passa a tramitar em urgência no Legislativo. Hoje, o plenário ainda acatou três projetos de lei.

De acordo com a Câmara, a proposta com iniciativa do Professor Euler (PSD) e intenção de coibir tentativas de furar a fila de vacinação, altera a lei municipal 15.799/2021, que regulamenta punições a pessoas físicas e jurídicas que descumprirem medidas contra a disseminação da Covid-19 em Curitiba. O texto (005.00029.2021) inclui o ato de “fraudar por qualquer meio a ordem prioritária estabelecida para a vacinação” como uma das infrações administrativas lesivas ao enfrentamento da emergência de saúde pública.

A iniciativa também estabelece que as infrações administrativas previstas na lei em vigor “abrangem os agentes políticos, cujas condutas subsumem-se às previstas no Art. 4º, inciso X do Decreto-Lei 201 de 1967 e ao abuso de prerrogativas nos termos do art. 10, inciso I, do Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Curitiba”. O vereador explica na justificativa do projeto que o objetivo é coibir a fraude em filas de vacina e, ao mesmo tempo, “responsabilizar a conduta dos agentes políticos, que devem dar o exemplo, com o maior rigor que o cargo exige e merece”.

Proposta pela Prefeitura de Curitiba e aprovada pela CMC em dezembro de 2020, a lei 15.799/2021 determina a aplicação de advertência verbal (a pessoas físicas flagradas sem máscara) e multas de R$ 150 a R$ 150 mil a quem praticar atos lesivos ao enfrentamento da pandemia. No caso de estabelecimentos comerciais, também pode haver embargo e interdição, independentemente de notificação prévia, e a cassação do Alvará de Localização e Funcionamento (confira tabela com todas as infrações e as respectivas multas). A norma considera infração administrativa toda “ação ou omissão, voluntária ou não” que prejudique o combate à covid-19, descrita na lei ou nos demais regulamentos, protocolos e normas expedidos pela Prefeitura de Curitiba.

LEIA TAMBÉM:

O pedido para que a proposta tramite em regime de urgência foi assinado por Euler e por mais 15 vereadores. Segundo o autor, a justificativa para a celeridade na tramitação é de que não “faz sentido” o projeto entrar na pauta do plenário após a conclusão do plano nacional de imunização na capital.

Segundo a Câmara, a proposta foi protocolada no dia 26 de janeiro e está no início da sua tramitação regimental. Conforme o Regimento Interno da CMC, com a urgência aprovada pelo plenário, agora as comissões permanentes têm até três dias úteis, contados a partir desta terça-feira (02), para se manifestarem sobre a proposição. Terminado o prazo, o projeto será incluído na pauta da primeira sessão plenária seguinte, ou seja na próxima segunda-feira (08), com ou sem parecer dos colegiados, para que sejam votados em dois turnos.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X