Carlos Eduardo Ceneviva, um dos pais da Curitiba moderna, é a terceira baixa na equipe que tornou a cidade modelo de mobilidade urbana

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Carlos Eduardo Ceneviva morreu na madrugada deste domingo (05), aos 83 anos. A causa da morte não foi divulgada pela família. (Foto: internet)
Ceneviva foi um dos responsáveis pela implantação dos ônibus biarticulados e das estações-tubo. (Foto: internet)

Morreu na madrugada deste domingo (05), aos 83 anos, o arquiteto Carlos Eduardo Ceneviva, um dos responsáveis pelo mundialmente reconhecido projeto de mobilidade urbana de Curitiba, notadamente o conceito de Rede Integrada de Transporte, com o fechamento dos terminais e tarifa única. A causa da morte não foi informada pela família. Paulista de Catanduva (SP), Ceneviva formou-se na primeira turma de Arquitetura e Urbanismo da UFPR e passou a integrar a equipe de arquitetos do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), em 1971. Em 1973, na primeira gestão de Jaime Lerner na prefeitura de Curitiba, assumiu a supervisão de Planejamento do órgão, onde teve participação direta no detalhamento dos setores estruturais da cidade e na implantação dos ônibus expresso.

Entre 1979 e 1980 foi presidente do Ippuc e anos depois da Urbs, companhia municipal de Curitiba que gerencia o transporte coletivo, na qual foi responsável pela implantação, em 1991, das Linhas Diretas, popularmente chamadas de Ligeirinhos, e das estações-tubo fora das canaletas (vias exclusivas dos ônibus biarticulados). No ano seguinte implantou os biarticulados no eixo Boqueirão. Até meados dos anos 2000, Ceneviva desenvolveu estudos e projetos de mobilidade no Brasil e no exterior. De volta à Urbs, em 2005, foi um dos responsáveis pela elaboração do anteprojeto de ultrapassagem nas canaletas do expresso, que culminou com a implantação do Ligeirão, primeiro no eixo Boqueirão. O corpo do arquiteto está sendo velado na Capela Vaticano e depois será cremado.

Trio atuante

A morte de Carlos Eduardo Ceneviva é mais uma baixa na equipe de urbanistas que assessorou Lerner nas transformações que fizeram Curitiba mundialmente famosa. Em junho de 2017, morreu o também arquiteto e urbanista Lubomir Antonio Ficinski Dunin, que participou da criação do Ippuc, considerado o grande laboratório das propostas urbanas implantadas na capital, do qual foi presidente por duas vezes. Em 2007 o arquiteto e urbanista Rafael Dely, que também presidiu o Ippuc, a Cohab de Curitiba e foi secretário da Habitação do Paraná, morreu aos 67 anos. Em comum, os três tinham, além da profissão, a mesma turma da UFPR.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X