Cassado por divulgar fake news, Fernando Fracischini volta a ser delegado da Polícia Federal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Simone Giacometti

Com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral, outros três deputados estaduais também perderão os mandatos na Assembleia Legislativa do Paraná. (Foto: Divulgação Alep)

O deputado estadual mais votado da história do Paraná, Fernando Francischini (PSL) teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral nesta quinta-feira (28), acusado de espalhar fake news. A decisão inédita do TSE foi baseada nas investigações que apontaram a produção e divulgação de notícias falsas dando conta de que houve adulteração nas urnas eletrônicas durante as eleições, numa tentativa de prejudicar o presidente Jair Bolsonaro.

No video divulgado por Francischini nas redes sociais dele, o parlamentar se diz injustiçado e fala que vai recorrer da decisão. “Eu lamento muito essa decisão que afeta mandatos conquistados pela vontade do eleitor. Agora eu reassumo o meu cargo de delegado na Polícia Federal. Mas não vou desistir. Nós vamos recorrer e reverter essa decisão no STF”, disse ele.

Assista:

O pronunciamento foi publicado nas redes sociais de Fernando Francischini nesta terça-feira (28). (Vídeo publicado no canal do YouTube do Portal Reinaldo Bessa)

Assumidamente bolsonarista, o parlamentar permanece na base de apoio do presidente e é pai do ex-deputado estadual e atual deputado federal, Felipe Francischini (PSL), que preside a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. A família também conta com mais uma integrante na política, na esfera municipal. Eleita vereadora de Curitiba para o primeito mandato, Flávia Carolina Resende Jaber Francischini, é esposa de Fernando Francischini.

O presidente Jair Bolsonaro, sem partido, e os aliados políticos Felipe Francischini (no centro) e Fernando Francischini, ambos do PSL. (Foto: Reprodução Facebook)

Na Assembleia Legislativa do Paraná, por enquanto, a troca das cadeiras ainda não foi concretizada porque é preciso que haja comunicação oficial sobre o caso, o que não aconteceu até o fechamento desta reportagem. Como há anulação dos votos, o Tribunal Reginoal Eleitoral irá refazer as contas do coeficiente eleitoral e redistribuir as vagas.

A expressiva votação de Francischini, 427.749 votos, foi suficiente para eleger outros três deputados do PSL, que também perderão os mandatos. Deixarão os cargos os parlamentares que são do mesmo partido: Cassiano Caron, Do Carmo e Emerson Bacil.

LEIA TAMBÉM:

Assim que a Assembleia Legislativa do Paraná for comunicada oficialmente, o cumprimento deverá ser imediato, mesmo com recurso. A saída dos quatro deputados estaduais só poderia ser revertida se fosse proferida decisão liminar contrária.

Sendo assim, devem voltar ao legislativo paranaense alguns nomes que já passaram pela casa: Nereu Moura (MDB), Elio Rusch (DEM) e Adelino Ribeiro (PRP). O único da lista da Justiça Federal que assumirá pela primeira vez como deputado estadual será Pedro Paulo Bazana (PV).

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

2 comentários em “Cassado por divulgar fake news, Fernando Fracischini volta a ser delegado da Polícia Federal”

  1. Traduzindo, o Paraná lava-jatista não existe, E uma ficção pra iludir o eleitor , que de sua parte, adora ser enganado.
    A hora que o paranaense no geral, e o curitibano em particular , faz valer seu bom senso e se recusa a ser enganado , e em Sta Felicidade na hora de comer. Pra isso ha senso critico,
    Agora , louve-se a malandragem de empregar toda a familia na politica . Todos tem mandato pra trabalhar pra si mesmo.
    O Paraná agradece.

  2. Paranaense lúcido que enxerga a vida como ela é

    O Parlamentar não foi injustiçado, eu assisti o vídeo dele no dia. Sua live ocorreu enquanto as urnas ainda estavam abertas, a votação ainda acontecia. O boato propagado pelo parlamentar surgiu depois que começaram a circular na internet dois vídeos que tentam mostrar suposta dificuldade em votar em Bolsonaro, quando o eleitor chega à urna e tenta, de imediato, apertar as teclas do número 17. Ocorre que os vídeos evidenciaram erro do eleitor e foram prontamente esclarecidos pela Justiça Eleitoral, sendo desmentido também o rumor sobre a suposta apreensão de urnas, que nunca ocorreu. Quando a urna eletrônica apresentou a tela para votar no cargo de governador, o eleitor apertou as teclas 1 e 7 para votar para presidente. É visível nos vídeos a palavra GOVERNADOR, na parte superior da tela da urna eletrônica. O Tribunal Regional Eleitoral paranaense (TRE-PR) julgou improcedente a ação movida pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), que recorreu ao TSE e reverteu o resultado.
    IMUNIDADE NÃO SERVE PARA SAIR POR AÍ ESPALHANDO DESINFORMAÇÃO….
    Uma bobagem tão grande do ex-deputado, o Bolsonaro vencia tranquilo as eleições de boca de urna na época. Fez o vídeo para lacrar na rede social e lacrou no TSE, ficou sem mandato, por ser bocó, falou demais, falou o que não existia, o que não acontecia…
    Mas agora tá toda a família com o burro na sombra, o filho é deputado federal, a esposa vereadora… Ele se reintegra a polícia federal e o Bolsonaro arruma uma boquinha pra ele se encostar… Ferrados estamos nós com a gasolina a R$ 6,19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X