Com 85 fabricantes, Paraná é referência na produção de instrumentos musicais artesanais no país

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Ateliê Buratti, do luthier João Buratti. (Foto: José Fernando Ogura/AEN)

O Paraná é um dos estados brasileiros que mais concentram empresas de fabricação de instrumentos musicais, peças e acessórios. A explicação é o fato de Curitiba ser a única cidade do país que oferece curso superior na área de luteria, que é a especialização para fabricação de instrumentos musicais. Das 85 empresas fabricantes de instrumentos do estado, 21 ficam em Curitiba.

O curso de tecnólogo em luteria da Universidade Federal do Paraná (UFPR), com três anos de duração, foi criado em 2009 e por um bom tempo se manteve como o único curso superior da área na América Latina. Atualmente, já existe uma formação semelhante na Argentina. De acordo com o vice-coordenador do curso, Juarez Bergmann Filho, Curitiba tem uma vocação musical muito grande. “Faltava mão de obra mais especializada para a fabricação e reparos de instrumentos. Criaram um projeto buscando informações com luthiers locais e surgiu a ideia do curso. Atendemos 30 alunos por ano”, afirma.

Guitarra da Mankato Guitars, da luthier Rosanne Machado. (Foto: José Fernando Ogura/AEN)

Bergmann conta que pessoas do Brasil inteiro vêm buscar qualificação em luteria. O perfil dos alunos é variado: desde aqueles que querem seguir carreira profissional na área até apaixonados por música, interessados em construir instrumentos por hobby. Os alunos podem escolher uma entre três capacitações: instrumentos de corda elétricos (guitarras e baixos elétricos); instrumentos de corda (cordófonos) dedilhadas (violões e violas brasileiras) e instrumentos de corda a arco (da família do violino).

Pioneirismo

A primeira luthier formada em instrumentos elétricos do Brasil é uma curitibana: Rosanne Machado é a fundadora da Mankato Guitarras, uma marca autoral que cria modelos únicos e confeccionados à moda antiga. “Gosto de dizer que somos uma marca de guitarras tropicais. Usamos apenas madeiras nacionais e todo nosso processo de confecção é igual àquele adotado na década de 1950, com um equipamento sendo produzido por vez”, conta.

Formada pelo curso de luteria da UFPR, Rosanne decidiu devolver à sociedade a oportunidade de formação que teve. Ela atuou como voluntária no projeto Girls Rock Camp, uma colônia de férias organizada por voluntárias visando o empoderamento de meninas de 7 a 17 anos através da música para desenvolver a autoestima e a liberdade de expressão. Rosanne viu a necessidade de fornecer às meninas equipamentos de qualidade.
“Eu fui voluntária neste projeto e fiquei encarregada de uma banda. E percebi que tinha muitas meninas de seis, sete anos, que não conseguiam tocar porque o instrumento era grande, pesado. Pensei que era uma boa oportunidade de inserir a marca e fazer algo legal. Retornar às mulheres esta capacitação que eu adquiri”, conta.

Depois de recolher instrumentos velhos ou danificados, a Mankato criou seis instrumentos com design especial, reaproveitando peças. “Este foi o pontapé inicial da marca e, desde então, têm surgido encomendas”, explica. A empresa também produziu outros instrumentos para musicistas mulheres, que fizeram tanto sucesso que hoje há fila de espera. “Nossas primeiras encomendas vieram de fora do Brasil, então já começamos exportando. Fazemos cerca de seis guitarras por ano”, afirma. Os preços variam entre R$ 4 mil e R$ 9 mil. O valor, bem abaixo do praticado no exterior, tem atraído as encomendas de fora do país.

Pinhões e violões

O engenheiro mecânico Marcello Rizzi viu na luteria a oportunidade para dar uma guinada na carreira depois de ser dispensado da empresa onde trabalhava. “Depois que fui desligado, decidi passar uma temporada fora e fui para os Estados Unidos. Lá visitei um museu de instrumentos musicais e descobri uma escola de luteria. Como sempre fui ligado à música, resolvi aprender o ofício e já são sete anos de dedicação exclusiva à construção de equipamentos”, conta.

Especializado em violões de aço, ele leva de três a quatro meses para entregar uma encomenda. E seus instrumentos têm o paranismo literalmente incrustado na madeira. Pequenos pinhões delicadamente moldados enfeitam os violões que saem de seu ateliê, o que já virou marca registrada da Rizzi. Além disso, ele faz ajustes e reparos em equipamentos. Para mostrar a qualidade musical dos instrumentos que produz, Rizzi criou o projeto Ultrasonoros, um canal no YouTube que reúne músicos curitibanos que vão tocar utilizando os equipamentos que compraram dele ou que foram colocados à disposição pela marca. “Já gravamos 40 episódios. Isso se transformou num acervo da contemporaneidade da música curitibana e brasileira”, conta.

Paralelamente, Rizzi se dedica à fabricação de violinos. Ele produz no máximo dois por ano. Além do processo ser completamente manual – e igual àqueles usados há 300 anos – toda a matéria-prima é importada. Desde a madeira até os vernizes, cola e cordas. Um instrumento feito por ele não sai por menos de R$ 15 mil, mas ainda é bem mais barato que qualquer instrumento feito de forma artesanal na Europa, por exemplo.

Música erudita

O paulista João Buratti está desde 2019 instalado em Curitiba. “Vim fazer algumas disciplinas isoladas no curso de luteria da UFPR. Já era luthier formado no Conservatório de Tatuí, em São Paulo, mas queria aprender mais. Vim estudar, fazer um estágio, mas as coisas evoluíram. Comecei a ter bastante demanda de trabalho e montei meu ateliê aqui”, conta. Diferente do curso da UFPR, o ofertado em Tatuí não é de nível superior.

Especializado em fabricação de violinos, Buratti dedica boa parte do seu tempo à manutenção e reparos de instrumentos. “Hoje é isso que toca o ateliê e paga as contas. E a construção dos equipamentos faço por amor”, afirma. Ele conta que grande parte do seu público é formada por músicos das orquestras de igrejas evangélicas da cidade, além de outros músicos profissionais. A maior parte dos instrumentos que chega ao seu ateliê vem da China e precisa de restauro completo para uma boa sonoridade. “Meu maior prazer é fazer com que a pessoa se surpreenda com o instrumento que tem. Então eu faço todas as substituições e adaptações necessárias para que eles saiam daqui com um instrumento de boa qualidade”, conta.

LEIA TAMBÉM:

Feito no Paraná

Criado pelo governo do estado e elaborado pela Secretaria do Planejamento e Projetos Estruturantes, o projeto Feito no Paraná busca dar mais visibilidade à produção estadual. O objetivo é estimular a valorização e a compra de mercadorias paranaenses, movimentar a economia e promover a geração de emprego e renda. Empresas paranaenses interessadas em participar do programa podem se cadastrar AQUI

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X