Com alto índice de testagem, Curitiba fez 532 mil exames PCR em um ano

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

testes PCR em Curitiba
Curitiba já testou o equivalente a mais de 1/4 da sua população. (Foto: Hully Paiva/SMCS)

Desde o início da pandemia, em março de 2020, até o último dia 19, Curitiba realizou 532.189 testes PCR para detectar infecção pelo coronavírus. O número equivale a um quarto da população e revela que a capital tem um alto índice de testagem.

De janeiro a 19 de março deste ano, Curitiba já testou o equivalente a 8,5% da população. Foram 165.183 exames de PCR em 2021, somando os realizados nas redes pública e privada. O exame PCR detecta o vírus da Covid-19 na fase ativa, entre o terceiro e oitavo dia da infecção. A taxa de “positividade” está em torno de 40% atualmente.

Segundo o epidemiologista do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Diego Spinoza dos Santos, embora essa testagem seja fundamental no combate à pandemia, ela precisa estar aliada às medidas de isolamento social por parte da população. “Até que saia o resultado do exame, o paciente precisa ficar em isolamento social. E, caso dê positivo, mesmo com sintomas leves, é preciso continuar respeitando esse isolamento”, adverte.

LEIA TAMBÉM:

De acordo com o último boletim da secretaria, divulgado neste domingo (21), havia 13.534 casos ativos da doença em Curitiba, correspondente ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus. “Essas pessoas testadas positivo precisam ficar isoladas, mesmo se tiverem sintomas leves. Aqueles que fizeram exame e estão aguardando resultado também,” afirma o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Alcides Oliveira.

Ele explica que 90% dos casos confirmados são leves. “Isso traz uma falsa impressão para a pessoa, que testa positivo e se sente bem e acha que pode circular. O problema é que ela vai transmitir para outras pessoas, que não reagirão necessariamente tão bem à doença, o que pode levar a óbito conhecidos, amigos e familiares”, diz Oliveira.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X