Contratos do BRDE no Paraná superam R$ 900 milhões em menos de nove meses

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Sede do BRDE em Curitiba. Em menos de nove meses deste ano, banco que apoia a economia da Região Sul já financiou mais de R$ 900 milhões somente no Paraná. (Foto: Rodolfo Buhrer/Agencia La Imagen)

O BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul) atingiu a marca de R$ 900 milhões em contratos no Paraná em menos de nove meses, de janeiro até o início de setembro. Nos três estados do Sul, onde o banco atua, o valor chega a R$ 2,2 bilhões em contratos. Somente no Paraná, o BRDE apresentou aumento de 320% nos financiamentos de projetos para micro e pequenas empresas e de 75% para médias empresas. Os projetos de eficiência energética e energias renováveis tiveram aumento de 36% em relação ao mesmo período de 2019, atingindo R$ 294 milhões em contratos no Paraná. Já o Recupera Sul, programa emergencial de crédito para a recuperação da economia da Região Sul, atingiu a marca de R$ 240 milhões em contratos.

Para o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, os números são expressivos e mostram que o BRDE esteve, mais do que nunca, ao lado do paranaense. “Continuaremos trabalhando arduamente para manter e elevar estes marcos, fazendo ainda mais diferença na economia do estado”, diz. Nos três estados, o montante de R$ 2,2 bilhões em menos de nove meses já é superior ao valor total de 2019. Se considerado o mesmo período do ano anterior, o crescimento em créditos contratados é de mais de 65%. No que diz respeito a recursos próprios, o aumento, comparado ao ano passado, ultrapassa 170%, o que, segundo Lipski, demonstra a rápida resposta do banco diante da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

LEIA TAMBÉM:

“Na crise, não nos escondemos. Pelo contrário, criamos o Programa Recupera Sul, destinamos créditos para a recuperação das empresas e montamos uma força-tarefa em parceria com o governo do Paraná e outros parceiros para promover a manutenção e geração de empregos no estado”, afirma Wilson Bley Lipski. Ele ressalta que, além disso, foi aumentada a possibilidade de crédito com recursos próprios e com novos contratos como, por exemplo, a AFD (Agência Francesa de Desenvolvimento), o Banco de Desenvolvimento da América Latina, o FSA (Fundo Setorial do Audiovisual), o Fungetur (Fundo Geral do Turismo) e o Funcafé (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira).

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X