Curitiba tem o maior licenciamento de imóveis nos últimos 10 anos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Nos seis primeiros meses desse ano, 8.929 unidades foram licenciadas por construtoras e incorporadoras em Curitiba. (Foto: Divulgação)

O apetite de empresas e compradores por imóveis em Curitiba continua alto, mesmo mais de um ano após a pandemia. Segundo a última pesquisa da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-PR), em parceria com a BRAIN Inteligência Estratégica, o primeiro semestre de 2021 foi o melhor desde 2011 em volume de imóveis licenciados pelas empresas.

Os dados da prefeitura de Curitiba, compilados pela pesquisa da Ademi/BRAIN, mostram que nos seis primeiros meses deste ano 8.929 unidades foram licenciadas por construtoras e incorporadoras. Ou seja: quase o dobro do volume realizado no mesmo período de 2020 na capital (4.885 imóveis). “Isso significa que veremos ainda mais lançamentos nos próximos seis meses”, comenta o presidente da Ademi-PR, Leonardo Pissetti.

LEIA TAMBÉM:

Isso quer dizer que, de cada 100 imóveis licenciados em Curitiba, 66 ficaram nas mãos das construtoras e incorporadoras. Esse é o melhor resultado desde 2011, quando 69% das novas construções estavam nas mãos das empresas. Além disso, a pesquisa mostra que, de janeiro a junho, foram lançados 3.097 apartamentos novos em Curitiba, ou seja, 52,6% a mais do que no mesmo período de 2020.

Acompanhando o movimento das outras capitais do país, os imóveis econômicos, enquadrados no programa Casa Verde e Amarela, tiveram a maior queda em lançamentos em Curitiba. Por outro lado, os imóveis de luxo e superluxo (com preço acima de R$ 1.000.001,00) já correspondem a 10% de toda a oferta de apartamentos lançados na capital paranaense. “Tivemos um volume expressivo de vendas de imóveis nesses padrões e repusemos o estoque na mesma proporção, o que atesta o bom momento do segmento”, explica Pissetti.

As vendas de imóveis novos em Curitiba também continuam aquecidas, com crescimento de 62,5% no primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2020. Ou seja, até junho foram 3.235 apartamentos novos comercializados na cidade, quase 540 por mês.

Entregas e estoque de imóveis novos em Curitiba

Já o volume de imóveis entregues permanece estável desde 2018, com média de 8,5 mil unidades com alvarás concluídos por ano. A capital paranaense chegou a emitir 15 mil alvarás de conclusão em um ano, quase o dobro do atual. Esse pico de entregas foi registrado em junho de 2015.

O estoque de imóveis novos em Curitiba também está sob controle. Aliás, a quantidade de unidades disponíveis para venda recuou 6,4% nos últimos 12 meses, tendo junho de 2021 como referência. Porém, tão importante quanto esse indicador é o fato de que apenas 13% deles são imóveis prontos. “Em outras palavras, significa que, em sua maioria, os imóveis de um edifício são vendidos antes da entrega”, explica Guilherme Braga Werner, sócio consultor da BRAIN.

A pesquisa considera imóveis prontos aqueles que estão há mais de 37 meses no mercado, sem venda. Segundo Werner, o tempo médio de escoamento das unidades em estoque no Brasil é de nove meses.

Perspectivas para o mercado imobiliário em Curitiba

Os números confirmam o bom momento do mercado imobiliário, apesar da crise de saúde mundial. Porém, os sucessivos aumentos da taxa Selic pelo Copom, que podem superar os 7% até o fim do ano, os impactos da reforma tributária e a explosão dos custos de materiais são preocupações dos empresários, segundo especialistas.

Diante desse cenário, a Ademi-PR faz um alerta importante para quem quer comprar um imóvel em Curitiba. “Para quem quer trocar de imóvel ou sair do aluguel, esse é o momento. Se esperar, certamente vai pagar mais caro ou terá que rever suas prioridades”, orienta Pissetti.

A pesquisa da Ademi-PR com a BRAIN também revela que o preço médio do metro quadrado para os apartamentos novos em Curitiba chegou a R$ 8.891,00 em junho deste ano, reajuste de 7% em 12 meses. Porém, pode chegar a R$ 15 mil dependendo do padrão, bairro e número de quartos do imóvel.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X