DESKTOP

Curitibano lança livro sobre inclusão de autistas na sociedade e pede empatia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

blank
Leonardo Bertolli Kriger foi diagnosticado com Síndrome de Asperger aos 12 anos. (Foto: Arquivo pessoal)

Você sente o que eu sinto? A pergunta que dá nome ao livro escrito pelo jovem curitibano Leonardo Bertolli Kriger, chama atenção para o universo de quem nasce com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). A obra foi lançada no Dia Mundial da Conscientização do Autismo, comemorado em 2 de abril, e traz sua opinião pessoal sobre o tema.

Leonardo, hoje com 20 anos, apresenta ao leitor uma perspectiva de mundo vista a partir de seu próprio prisma, desmistificando conceitos sobre quem se descobre com algum grau de autismo. “Fui diagnosticado com TEA aos 12 anos, com altas habilidades e superdotação com 10 e depois confirmei-o aos 20. Com a confirmação dos diagnósticos, vieram questionamentos e incertezas à minha cabeça. Será que finalmente serei compreendido ou será que meus traumas e minhas inseguranças irão se acentuar? Tais questionamentos me importunaram por muito tempo e não me deixavam expressar minha verdadeira essência, integralmente”, conta Leonardo.

O autor também aborda os rótulos que recebeu ao longo da vida. E explica que a Síndrome de Asperger tem algumas características semelhantes ao autismo, como a dificuldade na comunicação social e falta de flexibilidade de pensamento, porém, vale ressaltar que a capacidade intelectual não é afetada, pelo contrário. Na maioria dos casos, pessoas com a Síndrome de Asperger têm capacidades superiores em comparação com alguém normal. Em suas redes sociais, Leonardo divulgou um vídeo falando sobre o livro “Você sente o que eu sinto?” e os motivos que o levaram a escrevê-lo.

Para Leonardo, seu propósito de vida é transformar o mundo através da inclusão, da compreensão e da empatia. E ele faz um apelo aos pais: “A vida é muito curta para forçar seu filho a ser quem ele não é, por medo da reação de pessoas que não te amam, com a intensidade que seu filho lhes ama!”.

Ficou com vontade de ler o livro? Acesse o link e saiba mais.

LEIA TAMBÉM:

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

blank

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank
X