DESKTOP

De mulher pra mulher: Curitiba ganha rede de investidoras-anjo voltada a startups dirigidas por mulheres

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

blank
A ideia de criar a WIM surgiu em agosto de 2020 no evento Business Round e Empreendedora Curitibana. (Foto: Divulgação)

Curitiba acaba de ganhar uma rede de negócios formada exclusivamente por mulheres, a WIM Angels – Women Investment Movement. O grupo é composto por 13 investidoras de diversos setores que atuam na cidade e tem por objetivo incluir mais mulheres no universo de investimentos-anjo e estimular o empreendedorismo feminino na construção de novos negócios de base tecnológica e inovação. A iniciativa valeu-se do fato de Curitiba ser considerada uma das capitais mais inteligentes do país por contar com um forte ecossistema de inovação. A ideia de criar a WIM ocorreu no evento Business Round e Empreendedora Curitibana, realizado em agosto de 2020, que discutiu a importância de incentivar a participação feminina nas áreas de investimento e tecnologia. Em apenas dois meses elas atraíram as demais mulheres, selecionaram as startups e realizaram o primeiro aporte.

LEIA TAMBÉM:

A WIM atuará em duas pontas: além da oferta de recursos financeiros oferecerá conhecimento e networking para o desenvolvimento de negócios e no desenvolvimento do ecossistema de investidoras mulheres, este para as próprias investidoras. Como em qualquer rede de investidores anjo, o objetivo da WIM é aportar capital e conselhos estratégicos para o crescimento de startups. Sua atuação se dará por meio de mulheres tanto como investidoras quanto como empreendedoras, já que as startups que receberão investimento devem ter sido fundadas e geridas por mulheres. O investimento anjo em startups brasileiras mais do que dobrou na última década e passou a marca do bilhão de reais aportados em 2019, segundo a Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos que reúne investidores anjo e apoia o empreendedorismo no país. Em sua última pesquisa publicada em 2020, o valor aportado no segmento foi 9% maior do que no ano anterior. O número de investidores também apresentou um crescimento expressivo anual de 6%, chegando a 8.220 no final de 2019.

O aumento do valor total e valor médio investido em startups acompanha o crescimento do número de anjos no Brasil. No entanto, o que chama a atenção é a baixa presença de mulheres. Em termos de aporte efetivo, a Anjos do Brasil contabiliza que 93% dos aportes sejam por homens e apenas 7% por mulheres. Ou seja, a cada 100 investidores anjo no Brasil, apenas sete são mulheres. Números preliminares já apontam um crescimento de 7% para 11%, segundo pesquisa que deverá ser publicada em abril. “Se em uma década tivemos um salto de 55% no número total de investidores anjo, na próxima década queremos que este salto ocorra também na evolução do número absoluto de mulheres investidoras, o que implica dobrar a marca das quase 600 atuais. A WIM quer contribuir ativamente para isso acontecer”, diz a presidente da rede, Márcia Beatriz Cavalcante. Ainda segundo Márcia, a WIM pretende estabelecer parcerias com outros núcleos de investimento anjo feminino na forma de co-investimento.

O primeiro investimento

O primeiro investimento da WIM Angels foi em parceria com a WE Impact, dedicada a mulheres líderes de startups. Além de investir capital financeiro e apoio no seu desenvolvimento em tecnologia, produto, equipe e receita, a empresa oferece ainda às startups apoiadas uma rede qualificada de conexões que inclui grandes corporações, como Microsoft, Multilaser e Porto Seguro. Desde a sua fundação, em 2019, a WE Impact, que tem como founder e CEO uma mulher, já investiu mais de R$ 1,5 milhão no empreendedorismo feminino tecnológico, impactando a vida de mais de 100 mulheres. O co-investimento foi feito na Pontue, uma plataforma SaaS de aprendizagem voltada para diretores, professores e alunos, fundada em 2017 pela professora de português Cris Miura e pela Bacharel em Direito Livia Toledo. A startup conta atualmente com 201 escolas parceiras, 35 mil alunos de escolas públicas e privadas e uma base com mais de 1,7 mil educadores de Ribeirão Preto. Em 2020, a Pontue foi uma das 18 startups selecionadas pela WE Impact dentre mais de 900 inscritas.

Segundo a CEO da WE Impact, Lícia Souza, o uso da tecnologia a favor da educação, que já vinha se configurando como tendência, tornou-se uma necessidade e aposta em 2020. Na medida em que muitas escolas devem seguir com o ensino remoto ou híbrido até que possam retornar totalmente ao presencial, a incorporação de ferramentas com tecnologia de ponta no dia a dia das instituições de ensino tem se tornado cada vez mais essencial e promissora, segundo ela. No último ano, durante a pandemia, a Pontue cresceu 322% e planeja crescer até 200% em 2021.

Com o propósito de melhorar a qualidade da educação, o modelo de negócio da startup é baseado em uma plataforma digital para escolas inovadoras que desejam melhorar significativamente a aprendizagem do aluno e permitir ao professor construir um plano de aula totalmente online, de forma rápida e descomplicada. O professor seleciona o objetivo da aprendizagem, escolhe a videoaula, apostila ou atividade escolhida e libera para o aluno. A plataforma também agiliza a correção das tarefas com aplicação de Inteligência Artificial.

Como participar

Para fazer parte da WIM é preciso ser indicada por uma das integrantes da rede. A WIM busca investidoras que possam contribuir não só com recursos financeiros, mas com conhecimento específico, networking e acesso a capital.
“Mesmo sem fazer parte do grupo, as mulheres poderão conhecer o mundo e as boas práticas de investimento-anjo, pois a WIM promoverá ações de apoio na formação e desenvolvimento de investidoras que estão iniciando sua jornada”, afirma Linda Machado, executiva da Melt, conselheira e mentora de startups. A rede oferecerá com regularidade sessões de esclarecimento sobre investimento-anjo, apresentação e compartilhamento de experiências de suas investidoras e de investidores convidados.

As startups interessadas podem encaminhar seus pitch decks através de um formulário disponibilizado no Linkedin da WIM. Todas as apresentações passarão por uma seleção e análise prévia antes de submeterem suas propostas às investidoras. Essa seleção é conduzida mensalmente por comitê da WIM, que leva em conta os seguintes atributos: startups com base tecnológica e inovação; o produto precisa ter passado por um MVP e ter um faturamento recorrente, mesmo que pequeno; ter sido fundada por mulheres que detenham ao menos 50% de participação societária e exerçam função executiva ou gerencial.

Quem são as fundadoras da WIM

Márcia Beatriz Cavalcante (presidente), fundadora e presidente da Curitiba Angels, membro do Conselho de Mulheres na Tecnologia/Assespro-PR, Advisor de Inovação Aberta da Celepar.

Adriana Brodbeck Moore, fundadora da CWB Assessoria, sócia e executiva na empresa MOORE CWB, ambas empresas do ramo de assessoria empresarial e BPO, promovendo o atendimento a pequenas, médias e grandes empresas dos ramos industrial, agrícola, comercial e de serviços.

Adriana Karam, presidente do Grupo Educacional Opet, investidora-anjo pelo Curitiba Angels, membro do Grupo Mulheres Executivas, pesquisadora e implementadora de inovação educacional.

Ana Paula Camargo, Human Power em Jupter, diretora do Founder Institute Paraná, fundadora da Yuniq Editora, mentora e advisor de startups e colunista do programa Líder S/A do SBT.

Catarina Guerra, executiva da área de Recursos Humanos, managing director na S7 Consulting e co-fundadora do grupo Radar DV Curitiba que promove ações para a inclusão de deficientes visuais em corridas de rua.

Cíbia Clara Gimenez, gestora de projetos da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, coordenadora dos programas Empreendedora Curitibana, Worktiba e do Comitê de Governança do Ecossistema de Inovação de Curitiba e Região Metropolitana.

Cristina Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento, presidente do Conselho de Inovação de Curitiba, do InovaCity Fórum e do Conselho de Mulheres na Tecnologia da Assespro-PR.

Fernanda Andreazza, advogada, sócia do escritório Arns de Oliveira e Andreazza Advogados Associados, professora de pós-graduação, consultora de negócios de impacto social e ambiental e investidora-anjo.

Gisele Raulik Murphy, designer, doutora em políticas públicas para design e inovação, sócia da DUCO Design Intelligence, Assessora de inovação na Celepar e vice-presidente da PróDesign PR.
Izabela Cristina Rucker Curi, CEO do Rücker Curi Advocacia e Consultoria Jurídica e negociadora formada pela Harvard Law School.

Linda Machado, membro fundadora e vice-presidente da Curitiba Angels, executiva da Melt, investidora-anjo, conselheira e mentora de startups.

Maria Fernanda dos Santos Teixeira, conselheira de empresas no Brasil e Estados Unidos, especialista em Tecnologia da Informação e Transformação Digital.

Milena Seabra, founder na DPivot, especialista em Design Organizacional e Transformação Digital, com grande experiência no mundo corporativo, onde atuou por 17 anos, e mentora de executivos e empreendedores.

Serviço
WIM ANGELS
Presidente: Marcia Beatriz Cavalcante
(41) 99588-6390
[email protected] / [email protected]
www.linkedin.com/company/wim-angels
https://instagram.com/wim_angels

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:


Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X