DESKTOP

Edição virtual da Oficina de Música termina com mais de 50 mil visualizações

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

blank
Show de encerramento da 38ª Oficina de Música de Curitiba com a Banda Tumbalelê do Pererê. (Foto: Cido Marques)

Mais de 50 mil pessoas de dez países assistiram à programação da 38ª Oficina de Música de Curitiba, que terminou neste domingo (31), depois de 15 dias de atrações do Brasil e do exterior. Foram 83 concertos, shows, encontros, aulas e bate-papos 100% on-line, em cumprimento às exigências sanitárias de afastamento social. O resultado foram 52.856 visualizações nas exibições de vídeos e transmissões ao vivo. 

LEIA TAMBÉM:

O público em condições de vir à Oficina, desta vez, não precisou estar fisicamente na cidade. Em compensação, quem não teria condições de vir – por causa da distância ou do custo implicado no deslocamento de grandes grupos de músicos – participou pela primeira vez.

Foi o caso da Amazônia Jazz Band ou da Sinfônica de Sergipe que, por vídeo, esteve no Encontro Nacional de Orquestras – uma das atrações da fase erudita do evento e que abriu a programação da Oficina. O Encontro Nacional de Ópera foi outro evento da fase erudita.

Foram 64 lives e streamings variadas. Entre elas destacam-se as apresentações dos argentinos Daniel Binelli (do Quinteto Piazzolla) e da banda Escalandrum, os bate-apos com grandes nomes da MPB (como Mônica Salmazo, Lenine, João Bosco e Criolo) e as performances das crianças e adolescentes do MusicaR (o projeto de musicalização promovido nas Administrações Regionais), entre outros.

Artistas, público e tecnologia

A Capela Santa Maria, a Capela da Glória e os teatros Paiol e Guaíra, além do Oratório de Bach e da Sociedade Garibaldi, receberam cantores e instrumentistas para os shows ao vivo de Curitiba. Para os participantes do Circuito Off e do festival Jazztronômica, a casa dos artistas ou os espaços destinados a ensaios também funcionaram como palcos dos espetáculos. A maior parte dos alunos e ouvintes garantiu participação por meio de smartphones (26.568 ou 61,6%).

Além dos cursos ministrados por instrumentistas de excelência como Marcos Suzano e Davi Sartori, pela segunda vez consecutiva foram ofertadas modalidades destinadas ao público com deficiência. Assim como pessoas cegas e com baixa visão, que tiveram aulas de instrumentos em 2020, desta vez foram contemplados músicos e educadores que trabalham com surdos e autistas.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

blank

Veja Também

blank

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank
X