Ex-estagiário assume como CEO de indústria paranaense líder no segmento de alimentos orgânicos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Rodolfo Tornesi Lourenço, de estagiário a CEO da Jasmine Alimentos. (Foto: Divulgação)

Com apenas 31 anos, Rodolfo Tornesi Lourenço é o novo CEO da Jasmine Alimentos, empresa paranaense fundada há 30 anos e líder no segmento da alimentação saudável no mercado brasileiro. Ele ocupava o cargo de diretor de Inovação e Transformação da empresa. Lourenço entrou na Jasmine em 2009 como estagiário do departamento jurídico, quando ainda era estudante de Direito. Pouco tempo depois, foi efetivado e teve a oportunidade de trabalhar próximo da família do fundador Christophe Allain.

Allain e a mulher, Rosa, começaram a dar os primeiros passos na empresa nos anos 1970, quando passaram a oferecer aos amigos alimentos macrobióticos, dos quais eram adeptos. A partir daí, o casal criou um pequeno negócio de alimentos naturais, integrais e orgânicos, que ao longo dos anos seguintes se transformou numa das principais marcas do setor, que hoje fatura aproximadamente R$ 200 milhões ao ano.

Quando a Jasmine foi vendida à francesa Nutrition et Santé (líder na categoria de produtos orgânicos e funcionais na Europa e subsidiária da farmacêutica japonesa Otsuka), em agosto de 2014, Rodolfo Lourenço, já então graduado e especialista em due diligence, atuou de forma ativa no processo. Depois que o negócio foi fechado, ele foi convidado a permanecer na equipe, assumindo funções gerenciais.

“Por ter atuado por alguns anos bem perto da família que geria a empresa, tive acesso às informações estratégicas, que mantinham o alto nível de satisfação dos clientes e colaboradores e garantiam o bom desempenho da marca”, diz o CEO. Pouco tempo depois da troca de comando ele assumiu a função de Diretor de Inovação e Transformação, cargo que ocupou até agosto passado.

LEIA TAMBÉM:

Mesmo durante a pandemia, a empresa manteve sua posição de mercado e até cresceu em alguns segmentos. “Para se ter uma ideia, nossa meta de crescimento em vendas para o primeiro semestre de 2021 era de 15% e já nos primeiros seis meses do ano passamos dos 18%”, conta. Uma pesquisa feita pela Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis) aponta que houve um aumento de 44,5% no consumo de orgânicos durante os sete primeiros meses da pandemia da Covid-19. De acordo com outro estudo, feito pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), 36% dos consumidores passaram a procurar mais por alimentos e bebidas que consideram benéficos ao sistema imunológico.

Diante desse cenário positivo, a Jasmine continua investindo em novas tecnologias e na inovação para acompanhar o movimento do mercado de alimentação saudável e também para atender às expectativas dos clientes da marca. Mesmo durante a pandemia, a empresa lançou diversos produtos, como os biscoitos saudáveis inspirados na série Detetives do Prédio Azul, do canal infantil Gloob, e os novos sabores de pães sem glúten e granolas. Ainda neste mês de setembro, serão lançadas duas versões de granola – integral com maçã e canela e zero açúcar tradicional – no tamanho família.

E-Commerce

A parceria firmada com a Amazon em 2020 para a venda de produtos da marca alcançou excelentes resultados. “Desde que começamos a comercialização, vendemos mais de 100 mil unidades por esse canal. Isso mostra que o consumidor está ainda mais propenso a comprar de forma on-line”, destaca Lourenço. Por esse motivo, a empresa está acelerando o processo de criação de um e-commerce próprio, que deverá ser lançado ainda em 2021.

Atualmente, a Jasmine Alimentos está presente em todos os estados brasileiros e exporta para o Uruguai. Os produtos são encontrados nas principais redes de supermercados e em lojas especializadas, de conveniência, farmácias e drogarias. O portfólio da marca possui mais de 130 itens. Desse total, 15% dos produtos são orgânicos, certificados pelo Instituto Biodinâmico (IBD), de acordo com normas internacionais de controle e rastreabilidade, desde a produção no campo até o processamento e empacotamento, 100% são zero lactose, 92% veganos e 27% sem glúten.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X