Ex-governadora Cida Borghetti é nomeada para conselho da Itaipu Binacional

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

A nova conselheira de Itaipu, Cida Borghetti, em foto recente com o presidente Jair Bolsonaro e o marido dela, deputado Ricardo Barros. (Foto: Arquivo pessoal)

A ex-governadora do Paraná Cida Borguetti foi nomeada pelo presidente Jair Bolsonaro para o Conselho de Administração da Itaipu Binacional. Ela irá ocupar o cargo até 16 de maio 2024 na vaga deixada pelo deputado Carlos Marun (MDB-RS) que foi exonerado. A troca foi publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (6).

O cargo de conselheiro de Itaipu é um dos mais cobiçados entre os políticos que transitam nos bastidores do poder em Brasília e paga cerca de R$ 27 mil mensais pela participação em reuniões pontuais. Cida Borghetti é esposa do atual líder do governo na Câmara Federal, deputado Ricardo Barros (PP-PR), responsável pelas articulações junto ao Centrão, grupo de apoiadores do presidente.

Cida Borghetti tentou a reeleição ao governo do Paraná, mas foi derrotada por Ratinho Jr. (Foto: Nilton Rolin)

A nomeação da mulher do líder do governo para o cargo na Itaipu Binacional faz parte da estratégia do governo federal para ganhar apoiadores e será a terceira em menos de dez dias. Em 28 de abril, Rodrigo Limp, presidente da Eletrobras, assumiu no lugar de Wilson Ferreira Júnior. No dia 30 de abril, Bolsonaro exonerou Otávio Brandelli da função de representante do Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MRE) no Conselho e o substituiu por Carlos Alberto Franco França.

Vice de Beto Richa, Cida Borghetti ocupou o cargo de governadora do Paraná durante oito meses, em 2018, quando o então governador renunciou para disputar uma vaga no Senado. Ela concorreu à reeleição, mas perdeu para o atual governador Ratinho Jr. Durante o tempo em que esteve à frente do estado, ela trabalhou para garantir a construção da segunda ponte em Foz do Iguaçu ligando Brasil e Paraguai, com o acordo firmado entre os dois países. A obra, histórica para o Paraná, foi uma das principais bandeiras da gestão dela.

Desde que assumiu, Cida tratou o assunto em diversas oportunidades, na época com o então presidente Michel Temer e também esteve no Paraguai em visita oficial ao presidente Mario Abdo Benítez para defender a obra. Na ocasião, ela anunciou que “um sonho de quase 60 anos que em menos de nove meses se torna realidade. Foram muitos encontros e reuniões para que o dia de hoje se tornasse realidade. Hoje o dia é de agradecimentos”, disse durante solenidade realizada na sede da Itaipu, em Foz do Iguaçu.

A obra segue sem interrupção. O boletim divulgado em março deste ano pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER) apontava que a construção já tinha alcançado 49% de execução. A previsão é que o eixo rodoviário seja concluído em 2022. Responsável pelo financiamento da obra, a Itaipu Binacional já investiu até o momento R$ 115 milhões na construção da ponte. O DER-PR é o responsável pelo gerenciamento e fiscalização do empreendimento. De acordo com a Itaipu, o canteiro de obras gera atualmente mais de 2,5 mil empregos diretos.

Sobre o Conselho

Os governos do Brasil e do Paraguai têm a atribuição de nomear a Diretoria Executiva da Itaipu Binacional, por meio de indicação da Eletrobrás e da Administración Nacional de Electricidad (Ande). Para cada cargo reservado a um país, há um posto equivalente destinado à outra margem. Itaipu possui um Conselho de Administração composto por 12 conselheiros, seis brasileiros e seis paraguaios, e dois representantes dos Ministério das Relações Exteriores de cada país. O Conselho de Administração reúne-se a cada dois meses ou em convocação extraordinária.

LEIA TAMBÉM:

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:


Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X