DESKTOP

Ex-caminhoneiro que já tentou ser BBB é o novo presidente da Câmara Municipal de Curitiba

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

tico kuzma
Tico Kuzma (Pros), de 49 anos e no quinto mandato consecutivo, foi eleito por unanimidade, em votação nominal, o novo presidente da Casa. (Foto: Divulgação/CMC) 

Em sessão especial na tarde deste sábado (2), a Câmara Municipal de Curitiba elegeu os sete integrantes da Mesa Diretora para o biênio 2021-2022, além da corregedora e do vice. Seis dos nove cargos serão ocupados por parlamentares reeleitos; outros três, por “novatos” no Legislativo. Tico Kuzma (Pros), de 49 anos e no quinto mandato consecutivo, foi eleito por unanimidade, em votação nominal, o novo presidente da Casa. 

Formado em Administração de Empresas, antes da vida parlamentar foi representante comercial, motorista de caminhão e empresário do ramo alimentício. Duas curiosidades do novo presidente da Câmara Municipal: em 2010, filiado ao PSB, ele se candidatou ao reality show Big Brother Brasil, mas não foi selecionado. Queria ser o primeiro político a participar do programa. Também foi o autor, em 2009, da proposta de outorga do título de cidadania honorária de Curitiba ao então presidente Lula, que nunca chegou a ser votada.

Além de Kuzma, farão parte da Comissão Executiva as vereadoras Flávia Francischini (PSL) e Professora Josete (PT), respectivamente as novas primeira e segunda-secretárias. A votação de Flávia foi unânime, com 38 votos. Josete teve 36 votos favoráveis; um contrário, de Ezequias Barros (PMB); e uma abstenção, de Eder Borges (PSD).

Autor de 85 leis municipais, Tico Kuzma tem na sua lista de realizações legislativas a aprovação da Lei Antifumo (2009), a criação do Conselho Municipal de Políticas Públicas de Segurança Pública (2015) e a lei que determina o recolhimento de carros abandonados (2011), por exemplo. Foi o presidente da Comissão Especial de Revisão do Regimento Interno, que modernizou o processo legislativo, para tornar as sessões plenárias mais dinâmicas e democráticas, e também atualizou o Código de Ética e Decoro Parlamentar.

LEIA TAMBÉM:

Formado por 21 vereadores, de 12 dos 20 partidos com cadeira na CMC, o maior dos três blocos parlamentares constituídos para a eleição da Mesa também indicou, conforme os quocientes partidários, o primeiro vice-presidente deste biênio: Alexandre Leprevost (Solidariedade), eleito também por unanimidade. Liderado por Mauro Bobato (Pode), o “blocão” reuniu Solidariedade, Novo, PT, Pode, PSL, PV, MDB, PP, Republicanos, PTB, DC e Pros. Também de acordo com os quocientes partidários, os outros dois blocos e a bancada do DEM tiveram, cada um, direito à indicação de um representante à Mesa. Indicado pelo bloco PDT, PSB, PMB e Patriota, Tito Zeglin (PDT) será o segundo vice-presidente da Casa. Pelo bloco formado por PSD, Cidadania e PSC, Professor Euler (PSD) foi eleito para a terceira-secretaria.

Tanto Zeglin quanto Euler retornam à Mesa, já que ocupavam, no biênio 2019-2020, a primeira vice-presidência e a segunda-secretaria, respectivamente. As votações foram unânimes, assim como a eleição de Mauro Ignácio (DEM) para a quarta-secretaria. O partido, único a não integrar nenhum bloco, foi o último a ter direito às indicações aos cargos. 

Após a escolha dos sete cargos da Mesa Diretora, os vereadores elegeram a novata Amália Tortato (Novo), ex-comissária de bordo, a corregedora e Osias Moraes (Republicanos) o vice-corregedor da Câmara. Eles tiveram 24 votos, contra 14 obtidos pela chapa formada por Marcelo Fachinello (PSC) e Maria Letícia (PV).

Os mandatos também são de dois anos, vedada a reeleição na mesma legislatura. Cabe à corregedora, substituída em eventual impedimento pelo vice, promover a manutenção do decoro, da ordem e da disciplina na CMC, dar cumprimento às determinações da Mesa referentes à segurança interna e externa da Casa, fazer sindicância sobre denúncias de ilícitos ou infrações ético-disciplinares referentes a vereadores; analisar processos internos com o objetivo de aprimorar o cumprimento dos princípios da administração pública e fiscalizar o cumprimento dos prazos previstos no Regimento Interno.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X