Festival de Carne de Onça comemora 5 anos do petisco como patrimônio cultural imaterial de Curitiba

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Servida na maioria dos bares e botecos curitibanos, a Carne de Onça é tradição há mais de 80 anos. A receita leva carne bovina crua (não a do felino, como alguns pensam), servida sobre fatias de broa e coberta de cebola e cebolinha. O petisco está completando cinco anos como Patrimônio Cultural Imaterial de Curitiba e, para comemorar a data, o portal de gastronomia Curitiba Honesta, que realizou as pesquisas para elevá-lo a patrimônio, promove a partir desta terça-feira (21) a quinta edição do Festival de Carne de Onça, até 10 de outubro.

Trinta bares da cidade servirão suas versões para o tradicional petisco com valor fixo de R$ 19 a porção. Segundo o editor do Curitiba Honesta, Sergio Medeiros, o objetivo do festival é principalmente ajudar o setor de gastronomia em sua retomada neste momento de volta das atividades e cada vez mais fortalecer a carne de onça como patrimônio cultural da cidade. O portal realiza anualmente vários festivais gastronômicos, entre eles o Festival do Pão com Bolinho (outro petisco típico de Curitiba, o Circuito do Sanduíche, o Festival do Pêéffe e o Circuito de Pizzas.

A Carne de Onça curitibana lembra três receitas internacionais muito conhecidas: o Hackepeter alemão, o Steak Tartare francês e o Quibe Cru libanês. Porém, aqui é feita com uma fatia de broa preta coberta com carne bovina moída (normalmente patinho), cebola branca cortada fininha, cebolinha verde picada, temperada com sal, pimenta do reino e regada com bom azeite de oliva extravirgem. No festival, cada cozinheiro apresentará sua versão, com temperos e ingredientes que agregam sabores, mas sem tirar a essência do petisco.
Carne de onça surgiu na Toca do Tatu

A carne de onça tornou-se Patrimônio Cultural e Imaterial de Curitiba em setembro de 2016. A pesquisa e encaminhamento foram feitos por Sérgio Medeiros, um entusiasta da gastronomia curitibana. Durante a pesquisa ele descobriu a verdadeira história da iguaria. Na década de 1940, existia um time de futebol que foi várias vezes campeão paranaense, o Britânia. Seu diretor, Cristiano Schimidt, o Tatu, era também dono de um bar na Marechal Deodoro, chamado Toca do Tatu.

Para comemorar as vitórias do Britânia, Tatu, que não pagava bicho aos jogadores, fazia uma baciada de carne crua e a colocava sobre fatias de broa, junto com cebola branca e cebolinha picadas, e servia para o time. Um dia, o goleiro Duia reclamou: “Poxa, Schimidt, você só serve essa carne aí que nem onça come”. Estava criado o nome do petisco que todos os clientes da Toca do Tatu começaram a pedir e que hoje é servida nos bares da cidade.

LEIA TAMBÉM:

Confira os participantes do 5° Festival de Carne de Onça de Curitiba:

1) A Ostra Bêbada
2) Academia das Cervejas
3) Armazém Santa Ana
4) Bar do Dante
5) Barbaram
6) Baroneza
7) Bodesza
8) Brasil Craft Food
9) Burguer Bar
10) Canabenta
11) Cartolas
12) Charles Burguer
13) Dom Cervantes
14) Green Gate
15) Hamburgueria Água Verde
16) Hamburgueria das Américas
17) Jabuti
18) Jackson Assados
19) Maia Box & Oba Gastronomia
20) Mas Será o Benedito?
21) Mavy Pub – São José dos Pinhais
22) Mavy Pub Mondri – São José dos Pinhais
23) Quermesse
24) Quintal 68
25) Rancho da Joaninha (delivery)
26) Silzeus
27) The Barbecue
28) Ushuaia
29) Wit Bar
30) Zeppe Focacceria

Serviço:
5° Festival de Carne de Onça de Curitiba
De 21 de setembro a 10 de outubro de 2021
Informações: www.curitibahonesta.com.br
Instagram @curitibahonesta
Facebook: Facebook.com/curitibahonesta

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X