Hospital IPO inaugura centro de coleta e pesquisa em células-tronco em Curitiba

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

O Hospital IPO inaugura nesta quarta-feira (15), em Curitiba, um centro voltado à coleta e pesquisa com células-tronco. (Foto: Divulgação)

O Hospital IPO referência na área de otorrinolaringologia, inaugura nesta quarta-feira (15), em Curitiba, um centro voltado à coleta e pesquisa com células-tronco. As coletas ocorrem por meio da captação das células do periósteo do palato, o popular “céu da boca”; de dentes decíduos, como são conhecidos os dentes de leite; e também da gordura retirada nas cirurgias de lipoaspiração. A partir do cadastro de pacientes, os pesquisadores do centro poderão analisar a patologia e direcionar o caso para um médico que esteja com disponibilidade para a pesquisa com as células-tronco.

“O centro de coleta pode funcionar como um centro de fomento de pesquisa também, pois conforme mais médicos forem conhecendo a plasticidade da célula-tronco em relação ao processo de reparação celular, mais fácil será para permitir esse acesso à nova tecnologia”, aponta José Mauro Cunha Pereira, Diretor de Projetos Especiais ANADEM_RCRIO/BlinMed Células Tronco e idealizador dos Centros de Coleta de Células Tronco.

LEIA TAMBÉM:

O especialista ainda ressalta a rapidez com que as pesquisas sobre células-tronco têm avançado, lembrando que muitos trabalhos sobre células-tronco embrionárias foram realizados em 2010. O problema, diz Cunha, é que esse tipo de célula esbarra na fração ética da medicina. As células-tronco mesenquimais, por outro lado, foco do novo centro do IPO, podem ser captadas de forma mais simples e em maior quantidade.

“As células-tronco funcionam como um agente de cicatrização, independentemente do tecido lesionado. É possível fazer uma analogia com uma parede de tijolo muito bem trabalhada: você tem um buraco na parede de tijolo, o organismo preenche esse espaço com uma parede de aço muito bem feita e parafusada, mas aquela parede de aço vai ficar aparente. A célula-tronco consertaria esse muro com tijolos idênticos aos tijolos antigos e não deixaria nenhum tipo de cicatriz”, explica o médico. 

Avanços da medicina

As pesquisas com células-tronco representam o pontapé inicial para diversos avanços na área médica, pois são instrumentos que dão conta de aumentar ainda mais o potencial de regeneração do organismo. No futuro, será possível até mesmo criar órgãos a partir de células-tronco.

“Vincular procedimentos e novas técnicas é a chave para desenvolver melhores tratamentos e tornar possível a redução cada vez mais rápida e simples da agressividade de determinados quadros clínicos”, comenta João Luiz Garcia de Faria, diretor do Hospital IPO.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X