Janeiro Branco: usando o lazer para fortalecer a saúde mental

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Laboratório Caboracy Kosop

Você certamente já ouviu falar de campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul, relacionadas ao combate de câncer de mama e próstata, respectivamente. Mas esses não são os únicos meses “adotados” para abordar causas de saúde. O Janeiro Branco é uma iniciativa idealizada pelo psicólogo mineiro Leonardo Abrahão e realizada no Brasil desde 2014. O objetivo central da campanha é estimular os cuidados com a saúde mental, combatendo preconceitos e incentivando discussões sobre o tema.

O mês de janeiro foi escolhido pelo fato de ser uma época simbólica na qual as pessoas estão mais reflexivas e planejando suas metas. Esse ano traz novos desafios relacionados à pandemia, já que, mesmo com início da vacinação, ainda estamos longe de superar a pandemia da COVID-19.

LEIA TAMBÉM:

Entre esses desafios, há o medo de infecção pelo Coronavírus, as dificuldades financeiras, o risco de desemprego, adequação às jornadas de trabalho em home office e o próprio isolamento social. Porém, é preciso aproveitar o momento para “respirar” e recarregar as energias, estando mais disposto (física e mentalmente) para encarar o ano.

Convi-19 trouxe novos desafios para a saúde mental

De acordo com os organizadores da campanha Janeiro Branco, estudos e pesquisas sobre os efeitos colaterais da pandemia da COVID-19 começaram a surgir e a mostrar os grandes desafios que a humanidade tem pela frente: além de vencer o novo Coronavírus, os indivíduos e as instituições sociais também deverão reunir esforços e desenvolver estratégias públicas e privadas para proteger, fortalecer e promover a Saúde Mental das pessoas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a pandemia interrompeu serviços essenciais de Saúde Mental em 93% dos países do mundo e, ao mesmo tempo, intensificou a procura por esses mesmos serviços. No Brasil — país que já é um dos recordistas mundiais na prevalência de doenças como depressão e ansiedade e em números absolutos de suicídios —, a primeira fase de uma pesquisa realizada no final de 2020 pelo Ministério da Saúde detectou ansiedade em 86,5% dos indivíduos pesquisados, transtorno de estresse pós-traumático em 45,5% e depressão grave em 16% dos participantes do estudo.

blank
Quase 90% dos brasileiros sofrem de ansiedade. Profissionais da saúde são um dos mais afetados. (Foto: Divulgação)

Outro estudo, realizado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) com 12.000 pessoas de 33 países da América Latina e Caribe (30,8% eram brasileiros), revelou que 35% dos entrevistados relataram aumento na frequência do comportamento de beber de forma excessiva e em um curto período de tempo — situação que pode desencadear sérios problemas tanto à saúde mental quanto física dos envolvidos.

Além disso, também não faltam estudos sobre a ampliação das violências domésticas e do adoecimento emocional por parte de jovens e de idosos submetidos ao isolamento social.

Como cuidar da mente (e do corpo) para manter a saúde em dia

Apesar de não existir uma definição oficial para o conceito de saúde mental, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) o termo está relacionado à forma como uma pessoa reage às exigências, desafios e mudanças da vida e também diz respeito ao modo como gerencia suas emoções.

Por isso, a maneira como lidamos com essas emoções tem papel determinante na qualidade da nossa saúde mental. Outra questão fundamental é compreender que a saúde mental e a saúde do corpo andam juntas. É preciso realizar esforços para manter ambas em equilíbrio.

Infelizmente a maioria das pessoas não dão a devida atenção aos transtornos mentais como ansiedade, stress e depressão. A sociedade ainda tem preconceitos e concepções incorretas, vendo como se fossem algo menor ou, pior, como uma ‘fraqueza de caráter’ ou como ‘um problema que vai passar. Mas é preciso encará-los da mesma forma que encaramos as patologias ‘físicas’. Prestar atenção aos sintomas e buscar ajuda especializada é o primeiro passo para superar estas doenças e viver uma vida plenacomenta o Diretor Médico do LabCK, Ricardo Kosop.

5 dicas de ouro para manter a saúde mental em dia


1) COLOQUE O SONO EM DIA
Dormir bem é fundamental, pois durante esse período é que nosso organismo realiza funções biológicas vitais. Procure realizar uma “higiene do sono”, indo para a cama sempre no mesmo horário, manter o quarto escuro e evitando o brilho e estímulo de telas (TV, celular, tablets).  

2) CORPO SÃO, MENTE SÃ
Alimente-se com opções saudáveis e pratique atividades físicas regularmente. Os exercícios promovem a liberação de hormônios importantes para o bem-estar físico e mental. Evitar o tabagismo e reduzir o consumo de bebidas alcoólicas também são fundamentais.  

3) RESERVE TEMPO PARA O LAZER
Dedique algum tempo a uma atividade prazerosa ou hobby. Escolha algo que você goste de fazer (como ler um livro ou cuidar das plantas), sem preocupações em ser produtivo.  

4) FORTALEÇA OS VÍNCULOS PESSOAIS
O ser humano é um “animal social”, nós precisamos de interação (que tem sido comprometida devido ao distanciamento social). Procure manter contato com familiares e amigos, mesmo que por vídeo chamadas. Mantenha por perto as pessoas que te fazem bem.  

5) DESCONECTE-SE UM POUCO
Procure controlar o tempo gasto em redes sociais. Estudos apontam que elas são grandes fontes geradoras de ansiedade e depressão, pois geram efeito negativo de comparação com o outro, além de causar uma dependência por notificações cujo efeito no cérebro é semelhante ao vício em jogos de azar.  

Dica: O Hospital Albert Einstein mantém um guia com conteúdos úteis sobre saúde mental que pode ser consultado online. Por fim, lembre-se também de consultar regularmente seu médico e manter os exames em dia. Caso perceba que não está bem, sentindo-se ansioso ou deprimido, converse com alguém de sua confiança.

Diversão com segurança na temporada de férias

O mês de janeiro, tipicamente marcado pela temporada de férias, esse ano terá suas particularidades devido às restrições sanitárias impostas pela pandemia. Por isso, vale lembrar que os cuidados básicos (como distanciamento social, higienização constante das mãos e uso de máscaras) continuam valendo e devem ser seguidos com rigor. Confira algumas sugestões de lazer, lembrando que aquelas ao ar livre são as mais recomendadas:

blank
Resorts são boas opções para os fins de semana, mas medidas de segurança devem ser respeitadas. (Foto: Divulgação)

– Visitas a Bosques e Museus

– Lazer em Pesque-pague

– Prática de atividades físicas em parques e praças

– Praias (confira aqui a balneabilidade no Paraná)

Resorts e Hotéis Fazenda (sempre observando as regras de funcionamento)

LabCK: conte sempre com a gente

Esse conteúdo foi produzido pelo Laboratório Caboracy Kosop (LabCK), que há mais de 35 anos se dedica em cuidar das famílias paranaenses, prestando suporte diagnóstico laboratorial de excelência. O LabCK está comprometido com o bem estar e qualidade de vida das pessoas em todos os âmbitos, investindo em inovações laboratoriais e também na produção de conteúdos de interesse público.

Confira mais conteúdos

Site: Labck.com.br
Facebook.com/labkosop
Instagram.com/labkosop
Youtube.com/labkosop

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

blank

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X