Laura Döring fala sobre aluguel por temporada na coluna Educação Financeira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Aluguel por temporada

Laura Döring

blank
A modalidade aluguel por temporada normalmente é confundida com o aluguel normal ou até mesmo com Fundos Imobiliários, mas é diferente. (Foto: Divulgação/Freepik)

Olá querido leitor tudo bem?

Com as mudanças na economia e no cenário dos investimentos, tem surgido várias modalidades de investimento e uma delas é o chamado aluguel por temporada. Essa modalidade é confundida normalmente com o aluguel normal ou até mesmo com Fundos Imobiliários, porém, não se trata de nenhuma dessas duas modalidades.

No Fundo Imobiliário você é cotista de um ou vários empreendimentos comerciais ou residenciais, onde o administrador ou acionista é quem faz a gestão junto à CVM e aos Bancos Comerciais, já no aluguel comum, o imóvel pode ser alugado diretamente com o proprietário ou gerido por uma imobiliária contratada por esse proprietário.

Nesta modalidade o investidor é o proprietário do imóvel. São unidades residenciais em que o proprietário pode revender em caso de valorização ou necessidade, ou então fazer a modalidade de aluguel por temporada. Porém, não é um imóvel comum. Esse imóvel é construído com o intuito de competir com hotéis, mas sem a burocracia e cobrança de royalties mensais, entre outros custos que um hotel possui.

E qual a grande vantagem para o investidor? Além de ter a valorização do imóvel, o investidor já terá no momento da compra do imóvel, a possibilidade de deixar a administração da sua unidade para uma empresa específica (que não é uma imobiliária, mas sim uma administradora especializada nesse segmento) para fazer o aluguel das unidades como se fosse um hotel.

Mas importante prestar atenção em algo muito importante que fará a diferença em ter retorno sobre seu investimento ou não. Essa administradora, junto com a incorporadora, na hora da escolha do local onde fará a construção, deve fazer uma análise de viabilidade e de taxa de ocupação daquela região, para saber quanto isso trará de retorno para os investidores das unidades. Pois caso seja um local com baixa ocupação, ou até mesmo tenha ocupação, porém, extremamente sazonal, pode não ter o retorno esperado.

Esses apartamentos, ou melhor, micro apartamentos, têm em torno de 15 a 20m² e são ideais para alugueis de curto prazo, com foco em empresários e turistas. Essa tendência vem da crescente busca por aluguéis, tanto de pessoas que aderiram à modalidade home office, como pessoas que não querem adquirir imóveis. Além de serem muito mais acessíveis com baixas parcelas e baixa entrada.

Fiz um estudo particular com 10 jovens conhecidos que ainda não estão no mercado de trabalho. Dos 10, 6 disseram que não querem ter carro, não querem ter imóvel e têm intenção de trabalhar em lugares onde possam viajar ou estar em constante movimento. Esses jovens um dia precisarão morar em algum lugar e quanto mais barato e versátil for o aluguel, para eles, melhor. Mais pessoas vão querer morar de aluguel, mas onde fará sentido essa conta? Alguém precisará ser proprietário desses imóveis e terá renda garantida.

Mas por que mais barato o aluguel?

Com a gestão de uma empresa especializada no assunto, sem necessidade de pagar a bandeira do hotel, e não precisando contratar equipes grandes de funcionários como os hotéis, as diárias podem ser mais baixas e o público que gosta ou precisa ficar em hotéis, terá uma tendência muito maior de migrar para essa modalidade,

E por que a rentabilidade prevista (renda garantida)?

A gestora dos aluguéis, ao viabilizar com a construtora o local estudado, normalmente prevê uma ocupação de mais de 60% ao mês, para valer à pena, e arrecada os aluguéis. Em contrato ela prevê a rentabilidade e garante tendo ou não a ocupação. Isso justamente porque em momentos de alta ocupação ela terá além do lucro. E pagamentos das custas da empresa, um caixa para suprir os meses de menor ocupação. E essa garantia é normalmente acima de 1% ao mês sobre o valor do micro apartamento.

LEIA TAMBÉM:

Por fim, uma nova modalidade que traz diversificação de investimento em um único investimento. Imobilizado, rentabilidade, renda passiva, ou diversificação de aposentadoria.

Apesar dos males da pandemia, o cenário obrigou as pessoas a saírem de sua zona de conforto para criar soluções em todas as áreas, e essa, além de tranquilizar pessoas que sempre tiveram renda de aluguel, ainda beneficiará quem antes pagava caro por diárias, e não tem como deixar de alugar.

Um beijo!

Lembre-se: a cada 15 dias você pode conferir a #dicadalaura no Instagram e no Facebook do Portal Reinaldo Bessa.


Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Laura Doring

blank

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Laura Doring

blank

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

X