Na última coluna do ano, Laura Döring fala sobre planejamento de finanças para 2021

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Planejamento financeiro para 2021

Laura Döring

blank
O nosso comportamento influencia não apenas na nossa vida pessoal, mas também na nossa vida financeira. (Foto: Divulgação/Freepik)

Olá, querido leitor, tudo bem?

Chegou o fim de ano e começamos a pensar no que realizamos e deixamos de realizar em 2020, não é mesmo? E você já fez o seu planejamento financeiro para 2021? Ao contrário do que muitas pessoas pensam, educação financeira não é apenas entender siglas difíceis de investimento ou colocar em planilha os gastos, diários, mensais ou anuais, e largar em uma pasta do computador. Começa muito antes, com o comportamento.

Sim, o nosso comportamento influencia não apenas na nossa vida pessoal, como também na nossa vida financeira. Estilo de vida, influência de amigos e familiares, estresse, ansiedade, entre outros quesitos, devem ser analisados no momento em que você define seu objetivo, que é prosperar financeiramente.

Então, trabalhando isso, devemos “planilhar” o planejamento anual, começando com os custos principais:

  • Contas fixas (onde não existe possibilidade de reduzir, como água, luz, condomínio)
  • Custos anuais com veículo (IPVA, seguro, gasolina, previsão de manutenção)
  • Outros custos (os quais temos possibilidade de reduzir ou renegociar, como empréstimos, financiamento, alimentação, lazer, vestuário, etc)

É nessa hora que precisamos estar psicologicamente equilibrados, para manter o objetivo proposto ao longo do ano.

“Dieta financeira”

Como em uma dieta, não podemos deixar de nos alimentar, pois dessa forma a dieta não funcionaria, mas devemos mudar a nossa alimentação. Outro exemplo é alguém que quer parar de fumar, que no início deve evitar alguns hábitos e lugares que remetam à vontade de fumar. Assim deve ser nossa mudança comportamental financeira com os itens que citei acima.

Para diminuir gastos com vestuário, por exemplo, no momento do planejamento, você deve fazer aquela faxina no armário, doar tudo o que não precisa (isso fará com que você consiga visualizar melhor todas as suas roupas e sapatos) e organizar de forma que você saiba o que você já tem – e ainda conseguirá fazer combinações que antes não imaginava.

Já aconteceu de comprar uma peça de roupa que gostou e quando percebeu tinha outra igual ou muito parecida? Isso acontece porque o nosso cérebro esquece aquela peça escondida no fundo do armário. É natural que você acabe comprando outra ou outras para substituir.

Mais do que “planilhar”

Já havia pensado como é muito mais complexo do que apenas “planilhar” seu planejamento?

Após fazer isso, no início deixe de olhar lojas virtuais por um tempo, ou circular por vitrines que possam te chamar atenção. Quanto à alimentação ou lazer, você não precisa deixar de conviver ou falar com seus amigos e familiares, ao invés disso, proponha programas com custos menores, que serão tão divertidos quanto. Esse item é o que mais reduz custos quando bem feito. Para todos os outros itens faça a mesma analogia.

Quando surgir a oportunidade de comprar algo supérfluo, lembre de do seguinte:

Nosso cérebro possui 3 sistemas funcionais para a nossa sobrevivência, o sistema reptiliano, que é responsável pelas nossas ações instintivas, o sistema límbico, responsável pelas nossas emoções, e o neo córtex, onde pensamos racionalmente. Quando deixamos o sistema límbico agir sem utilizar o neo córtex, compramos por impulso, e depois quando passa a ansiedade provocada pelo sistema límbico, bate aquele arrependimento (aposto que você se identificou). Para trabalhar isso, pergunte se você realmente precisa, e resista por pelo menos 1 hora, para que o sistema do neo córtex possa funcionar. Recomendo a leitura do livro: Rápido e Devagar, duas formas de pensar, do autor Daniel Kahneman.

LEIA TAMBÉM:

Depois que tiver todos os custos definidos anualmente, você conseguirá saber quanto vai economizar por mês. Isso é importante pois sempre levamos susto naquele mês que precisamos pagar o IPVA, por exemplo, pois não contávamos com isso. Como assim não contávamos com isso, se todo ano no início do ano deveríamos ter nos programado para esse custo? Ou então material escolar?

É importante analisar sua planilha pelo menos uma vez por semana e ajustar sempre que for necessário. Utilize alarme, até virar um hábito.

E se você fizer certinho, no final de 2021 quero que me conte como foi sua experiência.

Um beijo e feliz 2021!

Lembre-se: a cada 15 dias você pode conferir a #dicadalaura no Instagram e no Facebook do Portal Reinaldo Bessa.


Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Laura Doring

blank

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Laura Doring

blank

Administradora de empresas, pós graduada em vendas e marketing pela FAE, especialista em gestão comercial pela Fundação Getúlio Vargas, e neurovendas pela Esic de Madrid. Atua como especialista em consultoria financeira, previdência privada, consórcio, corretagem de seguros, agente de investimento e gestora de equipe de vendas.

X