Mais 13 casos e duas mortes da variante delta e sublinhagens são confirmados no Paraná

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Até agora, 857 amostras do Paraná já foram sequenciadas pela Fiocruz e 460 aguardam resultado. (Foto: Americo Antonio/SESA)

A Secretaria da Saúde confirmou nesta sexta-feira (3) 11 novos casos da variante delta e dois casos de sublinhagens, um da AY.4 e um da AY.15. Também ocorreram duas novas mortes decorrentes da cepa delta. Os dados foram repassados no relatório de circulação de linhagens Sars-CoV-2 por sequenciamento genômico, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Os casos da variante delta e sublinhagens foram registrados em Araucária, Curitiba, Pinhais, Teixeira Soares, Guarapuava, Ampére, Cascavel, Santa Tereza do Oeste, Londrina e Ouro Verde do Oeste. Os óbitos referem-se a uma mulher de 70 anos, moradora de Curitiba, e um homem de 57 anos, de Cascavel.

Até agora, 857 amostras do Paraná já foram sequenciadas pela Fiocruz e 460 aguardam resultado. A maioria das amostras corresponde a variante P.1 (464 casos). A variante delta possui atualmente 138 casos confirmados e 28 óbitos, entre casos da própria cepa e suas sublinhagens.

LEIA TAMBÉM:

Assim que o relatório é enviado pela Fiocruz, a Secretaria da Saúde entra em contato com as Regionais de Saúde, que por sua vez comunicam os municípios de residência (ou de notificação) dos casos confirmados para iniciarem a investigação epidemiológica. Este processo inclui dados desde o início dos sintomas, a realização do exame, se houve internação e se o caso é considerado como cura ou óbito.

Sublinhagens de variantes são fenômenos que fazem parte da evolução viral natural e estão associados à taxa de replicação da doença. Quanto mais o vírus se multiplica, mais rápido ocorrem os processos de evolução. O vírus Sars-CoV-2 sofre mutações esperadas dentro do processo evolutivo de qualquer vírus RNA. Quando isso acontece, caracteriza-se como uma nova variante do vírus.

Quando as mutações ocasionam alterações relevantes clínico-epidemiológicas, como maior gravidade e maior potencial de infecção, essa variante é classificada como VOC (variant of concern ou variante de atenção). As VOC são consideradas preocupantes devido às mutações que podem conduzir ao aumento da transmissibilidade e ao agravamento da situação epidemiológica. As sublinhagens da variante delta, assim como a própria cepa, são consideradas como VOC.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X