Mercado imobiliário aquecido é oportunidade de investimento; confina na coluna Construção e Moradia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Gabriel Falavina – Altma Incorporadora

A cidade de Curitiba tem demonstrado um enorme apetite por produtos imobiliários, o que está garantindo um estoque de unidades de lançamento calculado em oito meses. Isso significa que se nenhum produto novo for lançado a partir de hoje, todos os imóveis disponíveis devem ser vendidos nesse período. O momento de normalização da taxa de juros e o crédito baixo estão entre os fatores responsáveis pelo que vem sendo caracterizado como um boom imobiliário. Esse fenômeno pode ser verificado nas principais regiões metropolitanas brasileiras.

Numa cidade que tem uma demanda habitacional gigantesca como Curitiba, ainda há muito mercado a ser explorado, principalmente com a oferta de bons empreendimentos em bons bairros. Seguindo essa lógica, temos concentrado os esforços da Altma na criação de produtos que chamamos “anticrise”. São empreendimentos que não têm o preço como principal fator de decisão, mas, sim, o conceito, a identidade e a inovação. Assim como uma obra de arte continua sendo obra de arte e mantendo seu valor num momento de crise ou de pujança, estamos preocupados em oferecer imóveis absolutamente únicos, com grande potencial de valorização.

Venda integral de unidades antes da fundação revela alta demanda habitacional. (Foto: Divulgação/Altma)

O resultado do cenário favorável e do lançamento de produtos inteligentes para um mercado bastante exigente se reflete em alta performance. Todos os empreendimentos que lançamos recentemente têm tendência de vender 100% das unidades antes mesmo de começarmos a erguer as paredes. Foi o que ocorreu com o Vibe, que atingiu um sold out antes de finalizada a fundação da obra. Outro empreendimento, o Árten, teve 50% das unidades vendidas no período de três meses depois do lançamento.

LEIA TAMBÉM:

O mercado todo mostra uma saúde que não beneficia apenas as incorporadoras, mas, principalmente, o comprador ou investidor. No final das contas, mesmo o imóvel adquirido para uso próprio, como moradia, acaba sendo um investimento. É um segmento que também sente as crises, mas não tem um comportamento volátil como o do mercado financeiro, por exemplo. Historicamente, o mercado imobiliário segue uma tendência de valorização, mesmo que enfrente quedas ocasionais de rentabilidade. Isso pode ocorrer em um ano, mas é quase impossível não ver imóvel valorizando em uma década, o que se torna um grande atrativo para quem quer alocar recursos com segurança e, ao mesmo tempo, investir na sua própria moradia.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X