DESKTOP

Ministério Público emite documento que sugere orientações para vacinação em Curitiba

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

blank
Segundo MP-PR, população deve receber as vacinas sem a exigência irrestrita da realização de cadastro prévio em aplicativo. (Foto: Geraldo Bubniak)

Uma recomendação administrativa conjunta de cinco instituições do Sistema de Justiça foi expedida nesta semana, com o objetivo de assegurar a conduta correta do processo de vacinação contra a Covid-19 em Curitiba e em todo o Paraná. O documento recomenda o cumprimento rigoroso da ordem estabelecida para grupos de risco e vulnerabilidade nesta primeira etapa do processo.

LEIA TAMBÉM:

Outras observações dizem respeito à fiscalização do trabalho, com total controle de quem está recebendo as doses das vacinas, disponibilização de equipamentos de proteção às equipes de saúde envolvidas no armazenamento, distribuição, recepção, organização e aplicação das vacinas, além dos materiais necessários à imunização da população e a devida conservação a frio dos imunizantes.

Facilidade de acesso

Outros pontos importantes indicados pelas instituições são a descentralização dos locais de vacinação, adequando-os ao previsto nos Planos de Vacinação Estadual e Federal em vigor, a fim de que tenham condições adequadas de higiene, ventilação e distanciamento entre pessoas, com a fiscalização para correção das aplicações e evitando-se aglomerações e, em especial, para que a população tenha maior facilidade de acesso à vacinação.

O documento recomenda ainda que a população deve receber as vacinas sem a exigência irrestrita da realização de cadastro prévio em aplicativo ou outra plataforma, na medida em que tal condicionamento fere a universalidade, a gratuidade e o amplo acesso aos serviços de saúde, não se impedindo, com isso, que ocorra uma identificação rigorosa no momento da imunização e que haja orientações no sentido de que o processo pode ser facilitado caso a população utilize as tecnologias já existentes e disponibilizadas.

Assinam a recomendação o Ministério Público do Paraná (por meio da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública de Curitiba), o Ministério Público Federal (representado pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão), o Ministério Público do Trabalho (via Procuradoria do Trabalho no Paraná), a Defensoria Pública no Estado do Paraná (através do Núcleo da Cidadania e Direitos Humanos) e a Defensoria Pública da União (por intermédio da Defensoria Pública Regional de Direitos Humanos).

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

blank

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

blank
X