Novo viaduto na BR-277 deve reduzir acidentes em Campo Largo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

As obras na BR-277, no km 104, resultam de acordo de leniência firmado entre a concessionária CCR Rodonorte e o Ministério Público Federal. (Foto: Jonathan Campos/AEN)

Acessar a BR-277 ou fazer o retorno no km 104 era um transtorno para motoristas e moradores do Jardim Guarany, em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. Acidentes e congestionamentos eram frequentes no trecho, um dos mais movimentados e perigosos da rodovia. As obras do complexo rodoviário inauguradas nesta quarta-feira (14) devem amenizar esses problemas. O novo projeto conta com um viaduto do tipo ferradura, dois quilômetros de pistas marginais e uma nova rotatória, facilitando a circulação dos veículos.

O viaduto recebeu o nome do soldado da Polícia Militar do Paraná Lucas Liça, morto em um acidente no local em 2015 e faz parte de um acordo de leniência firmado entre a concessionária CCR Rodonorte e o Ministério Público Federal (MPF). Executada em 11 meses, a obra recebeu investimentos de R$ 17,9 milhões e é a segunda inaugurada em Campo Largo neste ano.

LEIA TAMBÉM:

Com a liberação da nova interseção, todos os acessos e saídas dos veículos que estão na região do Jardim Guarany serão feitos em desnível, como também os retornos entre os dois sentidos da BR-277 no local. As duas vias marginais, em ambos os lados da rodovia, operam em mão dupla na maior parte da extensão. Para adequar os acessos que levam à BR, foi construída uma rotatória na marginal norte da rodovia, que vai  disciplinar os fluxos de tráfego dos carros que utilizam o retorno, a marginal e que acessam a Rua Vicente Nalepa, em direção à Vila Dom Pedro II.

O viaduto recebeu o nome de Lucas Liça, soldado da Polícia Militar que morreu em acidente de trânsito no local, em 2015. (Foto: Jonathan Campos/AEN)

Cerca de 60 mil veículos trafegam pelo trecho diariamente. Cerca de 150 profissionais trabalharam nas obras, entregues em tempo recorde e feitas sem interrupção do trânsito. As equipes retiraram mais de 26 mil metros cúbicos de terra nas escavações, além da execução e instalação de 945 metros em barreiras de concreto, 288 estacas de concreto, 5,4 mil toneladas em materiais para pavimentação asfáltica, pouco mais de dois quilômetros de pintura e sinalização horizontal, além do lançamento de 12 vigas de 19,8 metros de comprimento e peso estimado em 17 toneladas cada.

Além do que já foi feito em Campo Largo, o acordo de leniência com a CCR Rodonorte prevê novos acessos, viadutos e marginais em Ponta Grossa e Castro, e duplicações na BR-376 (Rodovia do Café) nas cidades de Imbaú, Tibagi e Ortigueira. A previsão é de que 13 obras sejam concluídas até novembro deste ano, quando vencem os atuais contratos de concessões.

Cerca de 60 mil veículos trafegam pelo trecho diariamente. (Foto: Jonathan Campos/AEN)

Quatro delas já foram entregues. Em maio, outra interseção de Campo Largo, construída no km 109 para fazer a ligação entre os bairros Cercadinho e São Luiz, entrou em operação. O conjunto recebeu o nome de Viaduto Marcelo Puppi, em homenagem ao prefeito do município, que morreu no início do ano vítima da Covid-19. Também foram entregues o novo acesso ao município de Piraí do Sul, o chamado Trevo de Brotas, na PR-151, e a duplicação do Contorno Sul de Apucarana, na BR-376, a Rodovia do Café.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:


Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X