O arquiteto e colunista Ivan Wodzinsky mostra as etapas de conceituação de um projeto de interiores

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Que cara vai ter sua casa? O arquiteto e colunista Ivan Wodzinsky mostra as etapas de conceituação de um projeto de interiores e como se dá a relação com o cliente desde a contratação do projeto a sua entrega.

Conceituação de projetos de interiores

Ivan Wodzinsky

Quando o profissional contratado é coerente, ele fará um trabalho que é você na melhor forma. Na hora de conceituar um projeto, seja ele qual for, residencial, corporativo, comercial, etc, ou você toma o caminho certo ou errado. Ou seja, para o resultado sair bom deve-se sondar bem qual caminho seguir. Ou qual porta abrir. Antes de mais nada, uma boa dose de sensibilidade faz-se necessária, e isso tenho bastante.

Quando o cliente vem ao escritório pela primeira vez o recebemos para a sua “consulta”. Quase uma consulta médica. É necessário saber quem é o cliente e do que ele precisa. Depois de conversar bastante, tentamos entender seu estilo de vida, seus motivos e seus gostos. A esse quadro de investigação chamamos de diagnóstico. Como um quadro clínico, para daí saber qual caminho tomar (o remédio, a solução). Esse diagnóstico preliminar visa entender muito bem o que o cliente deseja, para, enfim, deixá-lo satisfeito nas suas expectativas.

Assim como o médico, o arquiteto não tem liberdade total de escolhas para decisões finais sobre o projeto. Não imponho, mas sugiro argumentos na hora de conceituar o projeto. Uma vez que o cliente procura um profissional é porque gosta de ter suas certezas checadas, receber sugestões, talvez até mesmo mudar de opinião se ouvir uma proposta ousada na qual ele nunca tinha pensado antes. É dever, sim, do profissional checar, esclarecer, propor alternativas melhores. Sempre dentro do gosto e expectativa do cliente. Sempre.

Se o cliente ficar inseguro, devo passar segurança para ele. Nunca, jamais deixo essa etapa de conceituação a cargo de um estagiário ou terceiros não graduados para essa função. Eu mesmo me encarrego deste trabalho, é minha obrigação como profissional, além de sentir um prazer enorme em executar essa fase, pois é aí que nasce o meu trabalho. Claro que nessa fase tenho a colaboração do meu assistente. Fazemos a apresentação de outros projetos, que apresentam outros resultados alcançados com diversas soluções. Assim, garantimos que tudo será feito com o seu consentimento.

O portifólio do escritório é rico, com muita experiência, e tem muitos projetos executados e fotografados para apresentar aos novos clientes. Um bom exemplo é sempre uma referência. Muitas vezes o cliente se sente dominado pelo profissional e fica intimidado em dar opiniões, ideias, etc. Corre-se o risco de o cliente ficar insatisfeito ao longo do trabalho, do projeto em si e com o próprio profissional também. Sempre falo que quem vai morar na casa é o cliente, não eu.

É fundamental conversar com o cliente sobre seu estilo de vida e até mesmo seu próprio estilo. Como ele vê a casa, como ele quer morar realmente. Se ele quer uma casa mais clássica ou mais moderna, se quer uma casa conceitual ou despojada, uma casa mais aberta ou mais fechada. E assim por diante. Entender o estilo do cliente é premissa (isso vale também para os projetos comerciais, corporativos, etc.). Gosto é gosto e não se discute, a princípio. Por isso, como foi citado acima, cabe ao escritório fornecer argumentos e ideias que complementem e até mesmo sofistiquem o gosto do cliente. Estamos aqui para isso. Um profissional de verdade não fica somente dizendo amém. Um profissional dialoga profundamente com o cliente. E desse modo vai-se construindo o verdadeiro caminho para o projeto em questão.

LEIA TAMBÉM:

Costumamos pedir ao cliente que apresente projetos em livros e revistas dos quais ele gosta e inclusive do que ele não gosta. Importantíssimo saber o que ele não gosta. Como já foi dito anteriormente, imposição nunca, consenso em comum sempre. Para ganhar a confiança do cliente, nada como apresentar bons exemplos, principalmente os que convergem com o estilo do cliente. Gostamos mesmo de apresentar projetos já executados. Para isso fazemos uso de fotografias, imagens e vídeos 3D renderizados, o que esclarece muito as ideias. Aliás, o uso dessa tecnologia moderna de imagens segue mais adiante na apresentação do projeto do cliente da vez. O escritório faz muito uso deste tipo de mídia.

Uma vez fechado o contrato, são realizadas inúmeras reuniões presenciais para podermos conhecer ainda mais o cliente. Para a apresentação e entrega do projeto, que vai desde o estudo preliminar, do pré-projeto, projeto de execução até a fase de detalhamentos, usamos diferentes formas de mostrá-lo ao cliente como já dito anteriormente. Nosso contrato pode ser executado por completo ou até mesmo em etapas, como somente projeto arquitetônico e somente projeto de interiores. Quando há uma conversa sincera com o cliente, o projeto anda sempre da melhor forma. A empatia precisa existir entre escritório e cliente, porque uma vez estabelecido um contrato os trabalhos seguirão por dois ou três anos. Cria-se, querendo ou não, um laço afetivo entre as partes, principalmente se for um projeto residencial. E nessa fase não só acrescentamos ao cliente como ele também nos ensina. E tenho certeza que é muito bom aprender com ele.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

1 comentário em “O arquiteto e colunista Ivan Wodzinsky mostra as etapas de conceituação de um projeto de interiores”

  1. Pingback: O arquiteto e colunista Ivan Wodzinsky mostra as etapas de conceituação de um projeto de interiores – Sistema Navis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X