O Sentido do Olhar, exposição de Estela Sandrini, que tem apenas 5% de visão, pode ser visitada no MuMa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Com a volta da bandeira amarela em Curitiba, duas exposições de artes visuais foram abertas neste sábado (10) no Museu Municipal de Arte (MuMA), no Portão Cultural, com entrada grátis. Com propostas estéticas bem diferentes entre si, elas trazem ao público trabalhos da experiente e renomada artista Estela Sandrini, com “O Sentido do Olhar” e suas pinturas acessíveis para pessoas com baixa visão, como ela própria, que tem apenas 5% de visão. A outra exposição, chamada pelo “Pelo Direito de Amar Monstros”, de arte digital, é da jovem artista Luciana Bastos Siebert.

Refletindo sua atual condição de artista com baixa visão, Teca Sandrini, como é conhecida, propõe uma mostra de artes visuais para quem tem limitações visuais. “É uma exposição bonita, alegre e que também remete ao acesso para quem não pode ver – uma realidade que faz parte da minha vida e não me impede de continuar criando”, conta a artista, que tem seis décadas de carreira e também se dedicou a uma atividade que considera especial em sua trajetória: ensinar. Ela deu aulas na antiga Escola de Música e Belas Artes e na PUC (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e também foi diretora do Museu Oscar Niemeyer (MON).

“O Sentido do Olhar” apresenta a inédita Tecnologia Assistiva See Color. A ideia é que o público, por meio do tato, forme imagens mentais dos trabalhos da artista – por causa da perda da visão, agora sem formas definidas ou contornos e dispostos ao redor de grandes áreas brancas. “A cegueira é branca para mim”, conta Teca, que afirma ter mais liberdade para criar hoje do que antes de 1996, quando começou a perder a visão.

Das 20 telas expostas, duas representam diferentes fases do trabalho da artista: Obsessão (figurativo de 1995) e Despertar Emoções (abstração de 2018), ambas em óleo sobre tela. Elas foram recriadas pelo designer Vivaldo Vieira Neto por meio da nova técnica, desenvolvida pela pesquisadora e professora da UFPR Sandra Marchi. Essa ferramenta usa o relevo para informar, pelo tato, sobre as formas e cores das telas pintadas por Estela Sandrini.

Outro recurso de acessibilidade disponível é a audiodescrição, que poderá ser ativada por meio de leitor de QR Code. Estela Sandrini participa dessa etapa de organização da mostra, contando para o público sobre o processo criativo de cada trabalho exposto.

Caracterizada pelo experimentalismo e pela sobreposição de imagens, “Pelo Direito de Amar Monstros” é definida por Luciana Siebert como uma reflexão sobre a necessidade de aceitar aquilo que é asqueroso dentro de si para poder efetivar mudanças e sobre a psique coletiva. Segundo ela, os acontecimentos recentes no Brasil sobre temas como racismo, LGBTQIA+fobia, misoginia, massacre dos povos indígenas e corrupção influenciaram o resultado da mostra, que também trata da construção do ser feminino convencional.

LEIA TAMBÉM:

Além de mergulhar na proposta de Luciana, quem visitar a mostra pode receber uma videoaula de stop-motion pelo celular. Os interessados só precisam marcar a artista (@dalva_dissidente) em stories sobre a exposição e aguardar o vídeo.

Serviço:
Exposições de artes visuais MuMA
Endereço: Avenida República Argentina, 3430 (junto ao terminal de ônibus do Portão)
Horário: De terça a domingo, das 10h às 18h
Entrada grátis
O Sentido do Olhar (de Estela Sandrini)
Sala Domício Pedroso
Até 10/10 de 2021
Livre para todos os públicos
Pelo Direito de Amar Monstros (de Luciana Bastos Siebert)
Sala de exposição de Arte Digital
Até 10/7 a 11/9 de 2021
A partir de 14 anos

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X