Organização criminosa que atuava há 30 anos em Curitiba é versão real de série da Netflix

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

A Polícia Militar acabou com uma organização criminosa que atuava há cerca de 30 anos com tráfico de drogas no Bairro Alto. (Foto: Soldado Amanda Morais)

O megatraficante Nemo Bandeira, do ótimo seriado “O Sucessor”, da Netflix, tinha uma versão real em Curitiba, porém de saias. A Polícia Militar acabou com uma organização criminosa que atuava há cerca de 30 anos com tráfico de drogas no Bairro Alto. O grupo era chefiado pela matriarca da família, que sucedeu o filho no negócio do crime. Ela foi uma das 20 pessoas presas durante a Operação Iracema desencadeada nesta quinta-feira pelo 20° Batalhão de Polícia Militar, pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope) e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O nome da operação faz menção à Iracema, personagem do romance homônimo de José de Alencar, devido aos traços indígenas da traficante presa.

Foram cumpridos 13 mandados de prisão e seis de busca e apreensão em Curitiba e região metropolitana. Além das prisões, foram apreendidos mais de R$ 11 mil em dinheiro e 15 quilos de maconha e crack. A operação foi deflagrada após três meses de investigação. Os policiais receberam informações pelo Disque Denúncia 181 sobre a atividade criminosa do grupo e, em conjunto com o Ministério Público, fizeram diligências para identificar os envolvidos e os pontos de atuação. Segundo o capitão Fábio Aurélio Didycz Wengerkiewicz, a mãe assumiu o comando da organização no lugar do filho, que saiu da atividade criminosa.

O grupo era chefiado pela matriarca da família, que sucedeu o filho no negócio do crime. (Foto: Soldado Amanda Morais)

“A operação foi desencadeada após denúncias direcionadas ao 20º Batalhão que, com apoio do Gaeco, investigou sobre o comércio de drogas em conjunto para identificar as pessoas que estavam participando dessa atividade, com foco principal no Bairro Alto”, disse Wengerkiewicz.

Além do Bairro Alto, os mandados judiciais foram cumpridos nos bairros Boqueirão e Pinheirinho e nos municípios de Araucária, São José dos Pinhais e Fazenda Rio Grande, onde o grupo usava galpões para armazenar as drogas. Outras três pessoas presas no sistema penitenciário também estavam envolvidas com a organização criminosa.

LEIA TAMBÉM:

Drogas, armas e dinheiro vivo

Com a operação, foram apreendidos uma arma de fogo (espingarda de calibre 12), dois simulacros de arma de fogo, 57 munições, das quais 18 para fuzil, 230 gramas de cocaína, 13,4 quilos de maconha e cinco mudas da mesma droga, além de 2,3 quilos de crack, divididos em 1.616 pedras, dois veículos e R$ 11.718 em dinheiro.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X