Paraná altera Plano de Vacinação e inclui imunizante Pfizer e grupos com comorbidades

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

Houve inclusão do grupo de pessoas com comorbidades crônicas renais, gestantes, puérperas e pessoas portadoras da Síndrome de Down. (Foto: Geraldo Bubniak/AEN)

O Paraná alterou o Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19 nesta semana. As decisões foram pactuadas durante a 2ª reunião do ano da Comissão Intergestores Bipartite do Paraná. Dentre as alterações, destacam-se o escalonamento do grupo prioritário “pessoas com comorbidades” e a inclusão de mais um imunizante.

O estado continuará seguindo as diretrizes do Plano Nacional de Imunização (PNI) e, por este motivo, incluiu a vacina Pfizer/BioNTech na lista, juntamente com a AstraZeneca/Oxford e Coronavac/Butantan. De acordo com as instruções atualizadas do Ministério da Saúde sobre condições associadas de risco, foi incluído no grupo de pessoas com comorbidades crônicas renais, gestantes, puérperas e pessoas portadoras da Síndrome de Down, de acordo com a priorização da vacinação descrita no Plano Estadual atualizado.

LEIA TAMBÉM:

O primeiro Plano contemplava 4.049.801 paranaenses elencados nos grupos porioritários. Nesta 3ª atualização o número subiu para 4.790.988 pessoas. “Nosso objetivo é imunizar o maior número de paranaenses o mais rápido possível, por isso é de extrema importância essa nova vacina e também que alinhemos os números junto ao governo federal para recebermos vacinas proporcionais à população do Estado”, afirmou o secretário da Saúde, Beto Preto.

Vacina da Pfizer

 

Com a autorização de uso da vacina Pfizer/BioNTech, o Paraná organizou uma estrutura com nove freezers para armazenamento do imunizante: sete são de ultrabaixa temperatura (-80ºC) e dois são de temperatura de -20ºC. Os equipamentos estão alocados no Centro de Medicamentos do Paraná, em Curitiba.

Após o descongelamento, o imunizante precisa ser diluído em soro fisiológico e utilizado em até no máximo seis horas. O intervalo entre a primeira e segunda dose é de 21 dias. A recomendação sobre a aplicação também inclui a utilização do conjunto de seringa específica de 1 ml.

As vacinas produzidas pela farmacêutica chegaram ao Brasil nesta semana e devem ser encaminhadas aos estados nos próximos dias, juntamente com os insumos necessários para as aplicações. As orientações sobre distribuição ainda não foram enviadas oficialmente pelo Ministério da Saúde.

Insumos

O Paraná recebeu 123 mil seringas de 1 ml do Ministério da Saúde. Os insumos estão passando por procedimentos de conferência e alocação do material na Coordenação de Material e Patrimônio da Secretaria da Saúde. O secretário Beto Preto esteve em Brasília na quarta-feira (28) para defender o posicionamento do Paraná em antecipar a vacinação de trabalhadores da educação e recompor o número de profissionais da saúde no Estado.

Dois ofícios foram entregues ao secretário Nacional de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, sobre a necessidade de recebimento de mais 78.400 doses de vacina contra a Covid-19 para a área da saúde e antecipação do grupo de trabalhadores da educação na prioridade de vacinação.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:


Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X