Plano de Retomada Econômica da prefeitura coloca Curitiba na final de premiação mundial de cidades inteligentes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

O World Smart City Awards é a maior premiação de cidades inteligentes do mundo e Curitiba é finalista pela terceira vez. (Foto: Daniel Castellano)

O Plano de Retomada Econômica implementado pela prefeitura de Curitiba para acelerar a recuperação da cidade após a fase mais crítica da pandemia garantiu a terceira indicação para final do World Smart City Awards, maior premiação de cidades inteligentes do mundo. A capital paranaense é finalista na categoria “Prêmio de Inovação de Recuperação”, que excepcionalmente vai reconhecer iniciativas relacionadas à Covid-19. Curitiba concorre com Londres e a colombiana Manizales.

O World Smart City Awards premia projetos pioneiros, ideias e estratégias que promovam o desenvolvimento urbano em todo o mundo e transformem as cidades em lugares mais sustentáveis e inclusivos para se viver. Em 2021, cidades de 46 países se inscreveram para concorrer à premiação.

Segundo a organização do World Smart City Awards, o Plano de Retomada Econômica de Curitiba está entre os finalistas de 2021 por contribuir para o sucesso da transformação, adaptação ou resposta da cidade à pandemia e a outros desafios que possam ocorrer no futuro.

Os vencedores das sete categorias da premiação serão anunciados em cerimônia no próximo dia 17, em Barcelona, durante o Smart City Expo World Congress, o fórum internacional mais importante sobre cidades inteligentes, que irá ocorrer de 16 a 18 deste mês. Segundo o prefeito Rafael Greca, ser finalista do prêmio é o reconhecimento do grande esforço do município para apoiar economicamente tanto trabalhadores quanto empresas e empreendedores.

LEIA TAMBÉM:

“Temos muito o que comemorar, pois a cidade mais empreendedora do Brasil é mais forte que as dificuldades. Com o Plano de Retomada, Curitiba já bateu este ano o recorde na geração de empregos. Foram 38.979 vagas com carteira assinada de janeiro a setembro deste ano, o maior volume dos últimos 18 anos”, informou o prefeito.

Ele lembrou também que a cidade está superando os desafios impostos pela Covid-19 em várias frentes. “Reforçamos nossa rede de proteção social, com o Mesa Solidária, o Auxílio Alimentar de Curitiba e a ampliação da estrutura de acolhimento da população em risco social. Já com o Plano de Retomada Econômica, lançado no segundo semestre de 2020, estamos dando suporte econômico, garantido fluxo de caixa para o dia a dia das empresas, postos de trabalho e acesso a recursos para novos investimentos”, disse Greca.

Plano de Retomada



O Plano de Retomada Econômica de Curitiba contempla várias ações para dar suporte à geração de emprego e renda, com apoio tanto para trabalhadores quanto para empreendedores. Os Liceus de Ofício, da Fundação de Ação Social (FAS), promovem cursos e preparam para o mercado de trabalho quem está em busca de qualificação. Os Espaços do Empreendedor da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação dão suporte a microempresários e microempreendedores individuais (MEIs) através de programas como Bom Negócio, Empreendedora Curitibana e os Worktibas, os primeiros coworkings públicos do país. Já o 1º Empregotech, parceria da Agência Curitiba e FAS, está ofertando cursos gratuitos de programação para jovens a partir dos 16 anos.

Também foi criado o Fundo de Aval, de R$ 10 milhões, com potencial para alavancar até R$ 100 milhões em investimentos por parte das empresas curitibanas. O número de atividades incluídas na Lei de Liberdade Econômica foi ampliado. A lei prevê a dispensa de alguns alvarás para atividades de baixo risco, facilitando o processo de abertura de empresas e reduzindo a burocracia. No ano passado, o número de atividades abrangidas pela lei na capital passou de 242 para 545. O município também prorrogou o prazo de pagamento de impostos e promoveu um programa de refinanciamento, o Refic-Covid-19, que permitiu o parcelamento de débitos em até 36 meses.

A prefeitura também vem dando apoio ao setor de eventos, com a utilização de R$ 2,7 milhões para projetos desse segmento e moratória de dívidas, até o fim do ano. Além disso, R$ 33 milhões foram destinados a apoiar a artistas e a cultura, durante a pandemia, em editais do Mecenato, do Fundo Municipal e emergenciais FCC Digital. Nos próximos cinco anos cerca de 113,7 mil empregos (diretos, indiretos e induzidos) deverão ser criados com obras públicas, que somam mais de R$ 2 bilhões em investimentos públicos.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X