Polícia prende serial killer suspeito de assassinar homossexuais em Curitiba

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da Redação

A prisão aconteceu neste sábado (29), no bairro Capão Raso, em Curitiba. (Foto: Polícia Civil do Paraná/SESP-PR)

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu o suspeito de três latrocínios contra homossexuais ocorridos entre os dias 16 de abril e 4 de maio deste ano, em Curitiba, no Paraná, e em Abelardo Luz, no estado de Santa Catarina (SC). A captura aconteceu neste sábado (29), no bairro Capão Raso, em Curitiba.

Imagens das câmeras de segurança nos prédios onde o suspeito cometeu os crimes ajudaram a comprovar a autoria dos assassinatos. (Foto: Polícia Civil do Paraná/SESP-PR)

José Tiago Correia Soroka é suspeito de ter matado David Júnior Alves Levisio,  no dia 27 de abril e Marco Vinício Bozzana da Fonseca, morto no dia 4 de maio, ambas as ocorrências na capital paranaense. Ele também é apontado como autor do latrocínio de Robson Olivino Paim, no dia 16 de abril, em Abelardo da Luz (SC).

Ainda no dia 11 de maio, suspeita-se que o homem tentou matar mais um homossexual, no bairro Bigorrilho, em Curitiba. Na ocasião, a vítima conseguiu resistir ao ataque, mas teve alguns bens subtraídos.

Thiago se comunicava com as vítimas através de aplicativos de relacionamento. (Foto: Polícia Civil do Paraná)

As três vítimas eram gays e moravam sozinhas. Eles foram encontrados mortos nas camas de suas residências com sinais de asfixia e tiveram pertencentes subtraídos.

De acordo com as investigações, o suspeito escolhia as vítimas por aplicativos de relacionamento. O modo de ação era o mesmo em todos os casos. Ele mandava fotos, agendava os encontros e ao chegar, estrangulava as vítimas nas camas onde elas dormiam. Depois, cobria os corpos com cobertas e levava tudo de valor que tinha no local.

Após investigações de alta complexidade, foram realizadas diligências para identificar o suspeito e em sequência capturar o indivíduo. Durante as investigações a PCPR ainda contou com o apoio da Polícia Civil de Santa Catarina (PCSC).

LEIA TAMBÉM:

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X