Por falta de novos lotes, Curitiba interrompe 1ª dose da vacina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Da redação

Curitiba interrompe vacinação
Curitiba interrompe, a partir do meio-dia desta sexta-feira (19), o cronograma da primeira dose da vacina contra a covid-19. (Foto: Hully Paiva/SMCS)

Por falta do envio de novos lotes de vacinas por parte do Ministério da Saúde, Curitiba interrompeu, a partir do meio-dia desta sexta-feira (19), o cronograma da primeira dose da vacina contra a Covid-19. A Secretaria Municipal da Saúde segue com o calendário de aplicação da segunda dose. Desde às 12 horas, os 11 pontos fixos de vacinação e três drive-thrus deixaram de atender as pessoas que buscaram a imunização. Pela programação, nesta sexta-feira, a vacinação é de pessoas com 85 anos ou mais. O cronograma será retomado assim que mais vacinas sejam enviadas à cidade. 

Ao longo desta semana foram vacinados idosos e idosas de 85 a 89 anos. O número de pessoas vacinadas até quinta-feira (18) na capital é de 63.474 pessoas.

LEIA TAMBÉM:

Segunda dose continua

Apenas o Pavilhão da Cura, no Parque Barigui, seguirá atendendo com a aplicação da segunda dose nos profissionais de saúde que já foram imunizados há mais de 21 dias com a vacina da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan. Além dos profissionais de saúde, a segunda dose está sendo aplicada (in loco) nos moradores e trabalhadores das instituições de longa permanência e indígenas.

“Temos condições e estamos preparados para vacinar mais de 15 mil pessoas por dia se houver doses. Só precisamos que as vacinas cheguem”, disse a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak. Curitiba recebeu até agora 88.410 doses de vacina, sendo 65.250 para a primeira aplicação (CoronaVac e AstraZeneca) e 23.160 para segunda dose (CoronaVac). Todas essas doses foram aplicadas nos grupos prioritários elencados no Plano Municipal de Vacinação contra a Covid-19.

Greca pede mais vacinas a Pazuello

O prefeito Rafael Greca participou nesta sexta-feira (19) da reunião da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. A reunião foi on-line e coordenada pelo presidente da FNP e prefeito de Campinas, Jonas Donizete, com a participação de 10 prefeitos, dois de cada região do país. Greca pediu que os profissionais de Educação sejam incluídos no grupo prioritário do Plano Nacional de Imunização e que o Ministério da Saúde use a Rede Nacional de Comunicação para informar semanalmente à população sobre a quantidade de vacinas enviadas aos estados e capitais, e o calendário de planejamento.

“Se Curitiba tivesse 15 mil doses diárias, a cidade estaria imunizada em três meses. O que não podemos é criar expectativa da vacina para os grupos e não ter a vacina”, advertiu. Ele também pediu que não haja politização da vacina pelo governo federal ou pelos adversários políticos. “Não pode haver politização até porque o presidente da República e seus oponentes precisarão dos votos dos brasileiros em 2022”, afirmou Greca.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X