Sanepar adota modelo de rodízio mais rígido a partir desta sexta

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Monique Benoski

Sanepar adota novo modelo de rodízio de água em ciclos de 36 horas. (Foto: Divulgação/Freepik)

A partir desta sexta-feira (14), a Sanepar vai adotar um novo modelo de rodízio no fornecimento de água de Curitiba e Região Metropolitana. Serão ciclos de 36 horas, ou seja, a população ficará um dia e meio sem e um dia e meio com água. E agora a divisão será em três grupos de bairros e não mais em cinco. A medida fez-se necessária por causa da forte estiagem que afeta os níveis dos reservatórios do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (Saic).

O anúncio foi feito nesta terça-feira (11) em coletiva com o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, o diretor de Meio Ambiente, Julio Gonchorosky, o diretor de Operações, Sergio Wippel, e o diretor de Comunicação e Marketing, Hudson José. A decisão foi tomada quando o nível médio dos reservatórios chegou a 28,85%, o pior nível da história da medição da Sanepar. Os níveis de cada barragem estão em 10,55% (Iraí), 32,8% (Passaúna), 17,3% (Piraquara I) e 83,3% (Piraquara II).

O sistema de rodízio já está sendo feito desde março, inicialmente para a região Sul de Curitiba e da Região Metropolitana devido à baixa vazão do Rio Miringuava. Em abril, o sistema passou a ser realizado em toda Região Metropolitana, desde então, a cada dia um grupo de 750 mil pessoas, cerca de 20% da população, tem o fornecimento suspenso. Agora, a partir desta sexta-feira (14), serão 1,2 milhão de pessoas sem água a cada dia.

Campanha Meta 20

O diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, e o diretor de Meio Ambiente, Julio Gonchorosky. (Foto: André Thiago Chaves Aguiar/AEN)

A Sanepar também está lançando a Campanha Meta 20 que sugere que a população economize 20% do seu consumo de água, atitude essencial para que os reservatórios não sequem. De acordo com o presidente da companhia, Claudio Stabile, esses 20% equivalem a 100 milímetros de chuva e com 100 milímetros de chuva ou com a economia da população, é como se ganhássemos um mês de reservação. “A população pode economizar e fazer a sua parte. Com essa mudança de postura, adotando medidas de uso racional, cada cidadão vai nos ajudar a garantir a água nos reservatórios por mais tempo, mesmo sem chuvas”, completa.

O objetivo da campanha é economizar 20% em um mês acompanhando e analisando os resultados a cada 15 dias. Se não houver economia da população ou não chover, pode ter ampliação do tempo sem água se os reservatórios estiverem com índice abaixo de 25%. Neste cenário crítico, a população poderá ficar 48 horas sem e 24 horas com água. O rodízio só será suspenso quando os níveis das barragens estiverem acima de 60% e as chuvas estiverem acima da média histórica. A previsão meteorológica indica que esse quadro deve ocorrer apenas em novembro. Confira a atualização dos níveis das barragens no site da Sanepar.

Caixas d’água

A Sanepar vai distribuir caixas d’água de 500 litros gratuitas para 2800 famílias da Região Metropolitana de Curitiba para que o impacto do novo rodízio seja menor para a população mais vulnerável. As famílias atendidas serão do programa Tarifa Social em áreas do rodízio e em locais onde a recuperação do abastecimento é mais demorada (ponta de rede ou topografia acidentada). As famílias são selecionadas em um processo técnico da Sanepar e receberão um kit para a instalação e a estrutura de suporte da caixa.

LEIA TAMBÉM:

Lavatórios

Serão instalados lavatórios comunitários em locais públicos de várias cidades do Paraná para diminuir o impacto da seca. Estão sendo instalados a princípio 53 lavatórios em 30 municípios. A iniciativa começou em Curitiba e é realizada em parceria com as prefeituras municipais. Os lavatórios são acionados por um pedal, sem contato manual, e têm suporte para sabão. Os custos com água e sabão, a manutenção e a inspeção periódicas ficam a cargo dos municípios.

Em Curitiba e Região Metropolitana são 13 equipamentos instalados em pontos estratégicos, onde há grande circulação de pessoas. E os demais municípios foram selecionados pelos altos índices de contágio da Covid-19, de acordo com informações da Secretaria Estadual da Saúde. Os municípios assinarão Termo de Adesão e Protocolo de Intenções, já que os equipamentos não serão doados pela companhia.

Siga-nos no Instagram para ficar sempre por dentro das notícias:

Veja Também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X